No sul, Pearl Jam encerra turnê brasileira

Grupo se despede do Brasil após shows em Curitiba e Porto Alegre

Murilo Basso, de Porto Alegre Publicado em 12/11/2011, às 12h04 - Atualizado às 18h18

Pearl Jam
Fabio Codevilla/Divulgação

Após passar por São Paulo e Rio de Janeiro, o Pearl Jam desembarcou na região sul do país para mais dois shows. Como ocorreu durante toda a turnê que comemora duas décadas do lançamento de Ten, disco de estreia da banda, o quinteto de Seattle fez apresentações enérgicas e marcadas por variações no set list.

Em Curitiba as surpresas começaram logo ao final do show do grupo X (responsável pela abertura dos shows), quando Eddie Vedder juntou-se a eles em “Devil Doll”. Em Porto Alegre, na última parada dessa passagem pelo Brasil, nesta sexta, 11, a banda repetiu a dose e os gaúchos também puderam presenciar uma apresentação intensa – o repertório de ambos os shows, o mais extenso da turnê nacional, contou com 32 canções.

Na capital gaúcha, abrindo com “Why Go” e “Do the Evolution”, a banda praticamente emendou a sequência “Severed Hand”, “Corduroy” e “Got Some”, prometendo cumprir o que já havia ocorrido em Curitiba. E se no Paraná as novidades ficaram a cargo de “Footsteps”, “In Hiding” e “Red Mosquito”, além de “Arms Aloft”, cover de Joe Strummer & The Mescaleros (banda do vocalista do The Clash), em Porto Alegre “Low Light” e “Present Tense” marcaram presença logo no começo da apresentação, enquanto canções como “Oceans”, “Light Years” e “Crazy Mary” ficaram para o final. Ainda no início, preocupado com as pessoas que estavam espremidas contra a grade, Vedder pediu para que o público desse "dois passos para trás".

Com versões estendidas, como nos demais shows, “State of Love and Trust” e “Black” encerraram a primeira parte da apresentação, que teve direito a parabéns para Jill McCormick, esposa de Vedder. “Hoje é 11/11, aniversário da minha mulher. Ela está em Seattle e estou com saudades. Será que vocês poderiam cantar parabéns para ela?”, pediu o cantor, para logo depois ser acompanhado por cerca de 20 mil pessoas. Em seguida veio a folk “Just Breathe” e a já tradicional homenagem aos Ramones, com “I Believe In Miracles”.

A última parte foi marcada pela intensidade. “Last Kiss”, que só apareceu no segundo show em São Paulo, e “Better Man” prepararam o terreno para que o baixista Jeff Ament e o baterista Matt Cameron, obcecados pela autenticidade, servissem de apoio para que Stone Gossard e Mike McCready pudessem dar vida às distorções e aos solos de “Jeremy” e “Alive”. Ainda no trecho final da apresentação, Vedder chamou um garoto e mais dois acompanhantes ao palco. "Queríamos deixar ele mais confortável", disse o vocalista. O trio acompanhou o restante do show sentado ao lado esquerdo do palco.

As luzes se acenderam para a clássica versão de “Rockin’ in the Free World”, seguida de “Indifference” e “Yellow Ledbetter", que terminou com apenas McCready no palco.

O Pearl Jam segue agora para Buenos Aires, onde se apresenta no dia 13 no Estádio Único de La Plata.