Novo coronavírus pode transformar Nova York para sempre com home office permanente

De acordo com o The New York Times, grandes empresas devem manter o modelo de trabalho em casa após a quarentena

Redação Publicado em 13/05/2020, às 08h50

None
Nova York (Foto: John Minchillo / AP)

As maiores empresas presente nos escritórios de Nova York, provavelmente, manterão o modelo de home office após o fim da quarentena de coronavírus, segundo o The New York Times

Barclays, JP Morgan Chase e Morgan Stanley são algumas das companhias que já avaliam que a volta das aglomerações nos escritórios não serão mais uma opção para os funcionário e que o trabalho em casa deve ser adotado permanentemente. 

+++ LEIA MAIS: O impacto do coronavírus no mercado mundial da música eletrônica

Por outro lado, a Nielsen estuda a possibilidade de três mil funcionários trabalharem de casa na maioria dos dias da semana. David Kenny, chefe da empresa, disse:  "Se você vem trabalhar na sua mesa do escritório, certamente pode fazer isso em casa".

Diane Ramirez, diretora-executiva da Halstead, declarou: "É realmente necessário [ir ao escritório]? Eu estou pensando muito e duramente sobre isso. Olhando para frente, para o futuro, será que as pessoas vão querer ficar aglomeradas em escritórios?".

+++ LEIA MAIS: Elon Musk reabre fábrica da Tesla e quebra regras de combate ao coronavírus

O veículo calculou que apenas três empresas deste grupo são responsáveis por milhares de funcionários na metrópole norte-americana e optar pela volta do trabalho presencial pode afetar a saúde pública da cidade. 

Além disso, as empresas se surpreenderam com a eficiência do home office durante a pandemia e enxergam vantagens na redução do espaço alocado em uma das cidades mais importantes - e caras - do mundo dos negócios. 


+++ O TERNO | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL