Novo disco do Foo Fighters está pronto, diz produtor

Butch Vig também afirmou que o sucessor de Wasting Light será “épico”

Redação Publicado em 30/07/2014, às 18h50 - Atualizado em 01/08/2014, às 18h03

Foo Fighters
AP

O novo álbum do Foo Fighters está pronto. De acordo com um tuíte do produtor do disco, Butch Vig, foram 23 dias seguidos de mixagem e, finalmente, o sucessor de Wasting Light (2011) está “oficialmente pronto”. Ele também comentou que o disco será "épico", em letras garrafais. Recentemente, o vocalista e guitarrista Dave Grohl afirmou que o álbum sairia em novembro deste ano. Veja o tuíte abaixo:

O disco do Foo Fighters foi gravado em oito estúdios lendários, cada um em uma cidade diferente dos Estados Unidos. O lançamento será acompanhado por uma série que irá ao ar pelo canal HBO. Sonic Highways documentou todo o processo de gravação do disco, contando também a história dos estúdios por onde o grupo passou.

Dave Grohl critica programas de TV que caçam talentos: “A música não é isso”.

Recentemente, Dave Grohl comentou a sonoridade do álbum: “Você vai reconhecer o Foo Fighters neste disco, mas ainda assim se surpreenderá conosco. Estamos fazendo coisas que nunca fizemos antes”.

“Ainda queria dizer que são apenas oito canções, mas acho que será nosso álbum mais longo porque, enquanto eu escrevia essas músicas, eu tive que ter uma aproximação do cinema. Como se eu não pudesse escrever um jingle de três minutos e meio para a [rádio] KROQ e depois filmá-lo para encerrar um episódio sobre a história da música de Nova Orleans, sabe?”.

Grohl diz que shows financiados coletivamente podem “mudar o esquema” de fazer turnê.

Sonic Highways

O documentário passa por oito cidades durante a gravação do novo disco: Austin, Chicago, Los Angeles, Nova Orleans, Nashville, Nova York, Seattle e Washington D.C., onde Grohl começou a carreira na música como baterista de uma banda de hardcore chama Scream. Com apresentação de Dave Grohl, ele será exibido pela HBO juntamente com o lançamento do disco.

Foo Fighters fez show surpresa em Nova Orleans e toca com banda de jazz; veja.

“A gente foi lá, começou a gravar, e eu sai pela cidade filmando e entrevistando o máximo de pessoas que eu pude. Fiz mais de 100 entrevistas. Ao fim da semana, peguei todas as minhas anotações, coloquei-as no chão, sentei com uma caneta e meu diário e reduzi todas essas histórias em uma música. Eu retirei elementos das experiências, anedotas e o ambiente das pessoas – é como uma reportagem. É ‘bangee jumping’ musical”, disse o vocalista.