Novo disco do The Who vai começar a ser gravado durante quarentena, revela Pete Townshend; veja detalhes

"Me sinto muito sortudo, porque passo muito tempo sozinho no estúdio", disse o guitarrista britânico à BBC

ANDY GREENE, da Rolling Stone EUA Publicado em 02/04/2020, às 10h02

None
Roger Daltrey e Pete Townshend se apresentam com The Who durante o Moving On, em 2019 (Foto: Robb Cohen / Invision / AP / File)

O coronavírus pode ter atrapalhado o calendário do The Who, que adiou todas as datas da turnê para 2021, mas isso não quer dizer que Pete Townshend esteja inativo.

Conversando com Matt Everett, da BBC, o guitarrista, cantor e compositor britânico revelou que está usando o tempo de inatividade para trabalhar nas novas músicas da banda.

“Estou em Wilshire. Eu tenho uma casa de campo aqui”, disse ele. “Me sinto muito sortudo, porque passo muito tempo sozinho no estúdio. Sinto que recebi uma resposta para as minhas preces que, talvez, eu não tivesse coragem de fazer, que é dizer: ‘Por favor, cancele tudo e me dê um tempo no estúdio...’ Parece um presente.”

+++ LEIA MAIS: Pete Townshend pede desculpas por ter dito que agradeceu a Deus quando Keith Moon e John Entwistle morreram

Atualmente, Townshend tem focado no remix de “Beads on One String”, do último álbum do The Who, Who (2019). “Outra coisa que eu tenho feito é analisar a possibilidade de iniciar o próximo trabalho mais cedo - eu faria isso no próximo ano -, mas adiantar o projeto, escrevendo novas músicas para o The Who.”

Além disso, ele está concluindo a adaptação musical do romance autoral The Age of Anxiety ("A Era da Ansiedade", em português). “Me consome muito tempo, mas é realmente agradável”, afirmou. “Estou trabalhando com orquestras, caixas de bateria, sintetizadores antigos e, é claro, as guitarras e o piano de sempre.”

+++ LEIA MAIS: Pete Townshend queria deixar o The Who desde o primeiro dia: "Aquilo não era arte"

Who foi o primeiro álbum com material novo do The Who desde Endless Wire, de 2006. Enquanto isso, Townshend não lançou nenhum disco solo desde Psychoderelict, de 1993, pois, nas últimas décadas, ele se dedicou às turnês.

"Eu nunca gostei muito de fazer turnê", disse ele à BBC. “Mas é uma parte importante do negócio. A minha alegria tem sido na composição, na escrita e na brincadeira com os equipamentos do estúdio.”

 


+++ TRAVIS SCOTT: O HYPE EM TORNO DELE REALMENTE FAZ SENTIDO?