Novo julgamento mantém condenação ao médico Conrad Murray por morte de Michael Jackson

Condenado pela morte do Rei do Pop, Murray deixou a prisão em outubro do ano passado

Rolling Stone EUA Publicado em 16/01/2014, às 11h07 - Atualizado às 11h14

Michael Jackson
Doug Pizac/AP

Um juiz na Califórnia manteve a condenação ao Dr. Conrad Murray pela morte de Michael Jackson, afirmando que foi um caso de homicídio culposo. O tribunal de apelação declarou em documento de 68 páginas, segundo o jornal The Washington Post, que foram encontradas evidências substanciais de que o médico administrou uma dose letal de propofol, que matou a estrela pop.

Os 25 momentos mais explosivos de ídolos adolescentes: Jackson 5.

O juiz que condenou Murray por homicídio culposo originalmente determinou pena máxima para casos como este – quatro anos de prisão. Mas, depois de dois anos cumpridos, o médio saiu da cadeia em outubro do ano passado durante um plano de corte da população carcerária na Califórnia. Quando entrou com apelação, o réu alegou que o juiz original impediu os jurados de ouvir evidências centrais. A corte de apelação afirmou não ter encontrado erros processuais, nem preconceito contra Murray.

Ouça 20 hits inesquecíveis de Michael Jackson.

A nova decisão alega que Murray demonstrou “insensível desrespeito” pela saúde de Jackson, e que as provas mostraram que ele administrou drogas “perigosas” sem os elementos necessários. “As evidências demonstraram que o Sr. Jackson foi uma vítima vulnerável e que Murray estava em posição de confiança, e violou esta relação de confiança ao violar condutas profissionais em diversos aspectos.”

Em 25 de junho de 2009, o mundo perdeu a maior estrela pop que já existiu: Michael Jackson. Relembre a trajetória do astro, dos tempos de Jackson 5 aos ensaios para a temporada de shows This Is It, em grandes reportagens da Rolling Stone.

Enquanto isso, Katherine, a mãe de Michael Jackson, entrou recentemente na justiça contra a promotora AEG. Ela acusou a empresa de ter mostrado negligência ao contratar Murray para cuidar de seu filho. Um juiz rejeitou o pedido de um novo julgamento na sexta, 10, segundo noticiou a agência Associated Press.