O Canto Que Me Embalou - Poemas para Meu Pai, Nelson Gonçalves

Leia um trecho do livro escrito por Marilene Gonçalves, filha do cantor. A obra deve chegar ao mercado até o final deste semestre.

Redação Publicado em 17/04/2009, às 20h32

AS MULHERES

As mulheres foram o seu fraco, mas nunca foram o seu forte. Como um bom declarado machão, você disfarçava a ternura. Mas ela sempre esteve lá, no seu olhar. Nas mãos que se mexiam inquietas e até nos socos de mentirinha que você desfechava nos meus braços. Tudo demonstrava o quanto você desejava tocar no objeto amado. Você era também um crítico mordaz, implacável. Poucos passavam no crivo da sua "competência". No entanto, as mulheres não eram seu alvo preferido. Você achava fraquezas em cada uma. Se você era viciado em mulher? Acho que sim. E esse foi um vício invencível, indominável. Dependia delas em um nível muito profundo e inconsciente. O jeito que as tratava oscilava entre o ardor feroz do garanhão e a mínima falta de tato. Você era impaciente, bruto até um limite quase imprevisível. Mas quando esse limite vital que vinha delas imperava, o charme aparecia, o carisma reinava, a sedução seduzia (...) A traição é a marca dos traídos. O carinho não nasce da força. O desvelo não vem da troca. A fidelidade não se compra com apartamentos. (...) Você amou então só a música, o seu tom, e foi só o que você amou. Mas você não sabia, era inocente. Sempre foi inocente. Você veio só para cantar.