O dia em que John Lennon comparou os Beatles a Jesus Cristo - e depois se justificou; assista

"Me desculpe, eu disse isso, realmente. Eu nunca quis que fosse uma coisa ruim ou anti-religiosa", declara o ex-Beatle no vídeo

Redação Publicado em 04/03/2020, às 14h33

None
John Lennon em 1972 (Foto: AP Images)

A declaração de John Lennon de que os Beatles eram "mais populares que Jesus Cristo" foi feita à jornalista Maureen Cleave - com quem ele supostamente teve um caso - e publicada no London Evening Standard em 4 de março de 1966.

Curiosamente, o artigo "Como um Beatle vive? John Lennon vive assim" foi apreciado no Reino Unido, sem nenhuma menção às reflexões de Lennon. Cinco meses depois, no entanto, a revista teen norte-americana Datebook republicou a citação nos Estados Unidos com outra manchete, fora do contexto original proposto por Cleave.

Como consequência, grupos cristãos e estações de rádio armaram o boicote nacional à banda de Liverpool. Enxames de faixas que diziam “Jesus morreu por você, John Lennon” e “John Lennon é Satanás” foram vistos em fotografias de jovens norte-americanos. A certa altura, um membro da Ku Klux Klan deduziu publicamente que os Beatles "haviam sofrido uma lavagem cerebral por comunistas."

+++ LEIA MAIS: Como Elton John ajudou John Lennon e Yoko Ono a se reconciliarem?

Depois de organizar uma grande turnê nos EUA, que começaria em apenas dois dias, o gerente dos Beatles, Brian Epstein, foi encarregado de controlar os danos da situação e tentou acalmar a mídia. Inicialmente, ele insistiu que Lennon havia sido mal interpretado e que tudo aquilo não passava de uma "tempestade em copo d'água."

Na tentativa de se retificar, a própria Cleave esclareceu os comentários de Lennon feitos em sua entrevista: “John certamente não estava comparando os Beatles a Cristo", ela escreveu. "Ele estava simplesmente observando que, tão fraco era o estado do cristianismo, que os Beatles eram, para muitas pessoas, mais conhecidos."

Epstein também argumentou: “Ele quis dizer que ficou surpreso porque, nos últimos 50 anos, a Igreja da Inglaterra e, portanto, Cristo, sofreu um declínio no interesse. Ele não queria se gabar da fama dos Beatles. Ele pretendia ressaltar que o efeito dos Beatles parecia ser, para ele, um efeito mais imediato sobre algumas gerações mais jovens." 

+++LEIA MAIS: As 5 músicas dos Beatles feitas por Paul McCartney que John Lennon mais gostava

Eventualmente, a turnê foi em frente como planejado. Ao chegar nos Estados Unidos, a banda concordou em realizar uma conferência de imprensa para resolver o incidente. Lennon, com um humor atrevido, abriu seu discurso dizendo: "Se eu dissesse: 'A televisão é mais popular que Jesus', eu poderia ter escapado disso!"

No entanto, as queimadas continuaram e a atmosfera permaneceu intensamente agressiva. Eventualmente, o assessor de imprensa dos Beatles, Tony Barrow, pediu a Lennon que encerrasse a situação com um pedido de desculpas. Ele concordou.

Lembrando do incidente, o baterista Ringo Starr explicou no documentário The Beatles Anthology: "John teve que se desculpar. Não por causa do que ele disse, mas para salvar nossas vidas, porque estávamos sofrendo muitas ameaças - não apenas ele, mas toda a banda", acrescentou.

"Não queria conversar porque pensei que eles me matariam, porque eles levam as coisas tão a sério [nos Estados Unidos]", explicou Lennon mais tarde. "Quero dizer, eles atiram em você e depois percebem que não era tão importante."

+++LEIA MAIS: John Lennon conheceu o filho Julian três dias depois do nascimento: o que ele disse?

Independentemente de seu medo, Lennon sentou-se na frente de 30 jornalistas e fez um sincero pedido de desculpas. "Eu nunca tinha visto John tão nervoso", disse Paul McCartney mais tarde. "Ele percebeu a importância total do que disse."

Lennon se explicou da melhor maneira possível. "Eu não sou anti-Deus, anti-Cristo ou anti-religião. Eu não estava dizendo que somos melhores ou nos comparando a Jesus Cristo como pessoa ou Deus como coisa ou o que quer que seja. Estava conversando com um amiga e usei a palavra "Beatles" como algo remoto - "Beatles", como as outras pessoas nos veem. Eu disse que eles estão tendo mais influência sobre as crianças do que qualquer outra coisa, incluindo Jesus."

Lennon, exausto, concluiu: "Me desculpe, eu disse isso, realmente. Eu nunca quis que fosse uma coisa ruim ou anti-religiosa. Peço desculpas, se isso vai fazer você feliz. Ainda não sei bem o que fiz. Tentei lhe contar o que fiz, mas se você quer que eu peça desculpas, se isso vai fazer você feliz, então ... OK, desculpe."

Assista ao discurso de John Lennon abaixo:

+++LEIA MAIS: Por que os Beatles demitiram o primeiro baterista e escalaram Ringo Starr?

 


+++ KAROL CONKA NO DESAFIO 'MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO'