O dia que homem sem camisa invadiu apresentação de Bob Dylan no Grammy - e ficou eternizado como 'Soy Bomb' [FLASHBACK]

Há exatos 23 anos, o artista Michael Portney ficou famoso por fazer uma performance inusitada durante a 40ª edição do Grammy

Redação Publicado em 25/02/2021, às 19h53

None
Soy Bomb no meio da apresentação de Bob Dylan no Grammy (Foto: Reprodução/YouTube)

Em 1998, Bob Dylan era um dos artistas com apresentação marcada na 40ª edição do Grammy, contudo, uma participação inesperada fez o show ficar marcado na história. Há exatos 23 anos, um homem sem camisa invadiu o palco no qual Dylan estava tocando - e a situação é considerada uma das mais estranhas da premiação.

No dia 25 de fevereiro de 1998, Dylan subiu ao palco do Grammy após ter vencido duas categorias: Melhor Disco de Folk Contemporâneo e Melhor Disco de Vocal Masculino. Mais tarde, na mesma noite, ele também conseguiria vencer na categoria Álbum do Ano - pelo disco Time Out Of Mind - e no prêmio Hall of Fame.

+++LEIA MAIS: Como Bob Dylan virou improvável ‘garoto propaganda’ da Victoria’s Secret nos anos 2000 [FLASHBACK]

Apesar de tantas categorias vencidas, um dos principais momentos foi a apresentação de Dylan e banda com a música “Love Sick”. No entanto, o músico certamente não foi o foco principal.


Invasão icônica

No show de Bob Dylan, a premiação organizou uma segunda plateia ao redor do palco. Cada pessoa que cercava o músico e a banda ganhava um cachê de US$200 para dançar e mostrar a apreciação pela apresentação.

+++LEIA MAIS: George Harrison e Bob Dylan tocaram 'Just Like a Woman' juntos em um show beneficente em 1971; assista

Contudo, isso não foi suficiente para Michael Portnoy. O artista deixou a plateia, abrindo mão dos US$200, para se posicionar ao lado de Dylan, tirar a camiseta e dançar freneticamente - tudo com os dizeres “SOY BOMB” (“Bomba de soja”, em português) escritos no corpo.

A invasão abrupta pareceu deixar Dylan sem graça, mas ele manteve a plenitude enquanto o artista fazia grandes movimentos em uma espécie de performance abstrata. Naquele momento, nasceu o “Homem Soy Bomb”, motivo de risada não só para o Grammy, mas para uma legião de fãs do corajoso artista.

+++LEIA MAIS: Bob Dylan beijou chão em que Elvis Presley pisou

Foi cerca de 30 segundos de desconforto dos músicos no palco até que o invasor fosse retirado do local, certamente para alívio de Bob Dylan, que não estava entendendo nada. Em seguida, Michael Greene, então chefe da Academia Nacional de Artes e Ciências da Gravação, pediu desculpas pelo ocorrido.

Quem é Michael Portnoy?

Quando o acontecido completou 20 anos, o The Hollywood Reporter entrevistou Portnoy para entender mais sobre a performance dele no palco do Grammy. 

+++LEIA MAIS: Bob Dylan não falou por uma semana após a morte de Elvis Presley

Segundo o artista, ele usou as palavras “bomba de soja” porque a soja representaria a vida nutricional densa e ele queria que a arte dele transmitisse uma "vida transformacional e explosiva".

Na entrevista, o músico explicou que decidiu durante o ensaio da apresentação que precisava “se afirmar na TV nacional” - e desde 1998 então ele focou na carreira artística. Atualmente, ele é um artista performático reconhecido internacionalmente.

“Era o formato perfeito para fazer algo inescrutável. Para injetar alguma confusão no mainframe. Parecia que eu não poderia entrar naquele palco e não fazer outra coisa. E naquele ponto da minha vida, eu estava trabalhando como comediante. Era quase como contar uma piada com meu corpo,” explicou Michael Portney.

De acordo com o artista, ele nunca recebeu os US$200 reais que deveria por fazer a figuração da apresentação: “Nunca pressionei. Sinto que recebo meu dinheiro de outras maneiras.”

+++ KANT: 'AQUELES QUE NOS DÃO MAIS ATENÇÃO SÃO OS QUE MAIS CRITICAM' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL


+++MAIS SOBRE MÚSICA: Site escolhe a melhor banda de rock de cada ano de 1969 a 2019 - e o resultado é polêmico

O rock ‘n’ roll abalou o mundo da música e trouxe uma oportunidade para os músicos que procuravam um meio mais agressivo e despretensioso para se expressar. E, desde os primórdios do gênero musical, diversas bandas conquistaram fãs ao redor do mundo com canções espetaculares e atitudes provocativas.

Contudo, segundo a Cleveland, o conceito de estrela do rock mudou ao longo dos anos e é preciso deixar o antigo estereótipo de lado para reconhecer o trabalho de novas gerações de músicos, os quais estão dispostos a dar continuidade a história do rock. 

+++ LEIA MAIS: As 50 melhores músicas do Pink Floyd, segundo site

Por isso, o site separou as melhores bandas de cada ano, desde 1969 até 2019. A lista foi feita considerando os números de vendas, conquistas, repercussão e qualidade de música dos artistas. Confira:

1969 - The Beatles

1970 - Led Zeppelin

1971 - Led Zeppelin 

1972 - The Rolling Stones 

1973 - Pink Floyd 

1974 - The Band 

1975 - Led Zeppelin

1976 - Queen 

1977 - Fleetwood Mac 

1978 - The Rolling Stones 

1979 - The Eagles 

1980 - Pink Floyd 

1981 - The Rolling Stones 

1982 - The Clash 

1983 - The Police 

1984 - Talking Heads 

1985 - The Cure 

1986 - R.E.M.

1987- U2

1988 - Guns N’ Roses 

1989 - Guns N’ Roses 

1990 - Pixies 

1991 - Metallica 

1992 - Nirvana 

1993 - Pearl Jam 

1994 - Green Day 

1995 - Oasis 

1996 - Smashing Pumpkins

1997 - Radiohead

1998 - Beastie Boys 

1999 - Rage Against the Machine 

2000 - Radiohead 

2001 - Linkin Park 

2002 - System of a Down 

2003 - The White Stripes 

2004 - Green Day

2005 - The Killers 

2006 - Fall Out Boy 

2007 - Foo Fighters

2008 - Coldplay 

2009 - Paramore 

2010 - Arcade Fire 

2011 - Foo Fighters 

2012 - The Black Keys 

2013 - Vampire Weekend 

2014 - Arctic Monkeys 

2015 - Alabama Shakes

2016 - The 1975 

2017 - Twenty One Pilots 

2018 - Panic! at the Disco 

2019 - Queen