Kings of Leon está pronto para outra

“Estávamos exaustos”, diz Caleb Followill sobre o hiato do grupo; agora o grupo de Nashville está de volta com um novo e energizado LP

PATRICK DOYLE/Tradução: J.M. Trevisan Publicado em 05/11/2013, às 12h17 - Atualizado às 13h01

Kings of Leon
Reprodução / Facebook oficial

“Precisávamos tanto dessa parada”, diz o baterista do Kings of Leon, Nathan Followill, sobre o tempo dado na carreira da banda depois do colapso sofrido em Dallas, no verão de 2011 – quando o líder do grupo, Caleb Followill, abandonou o palco de repente depois de quarenta minutos de show. Ele não voltou depois disso, e a banda teve que cancelar suas vinte e seis datas marcadas pelos Estados Unidos. “Estávamos exaustos”, diz Caleb hoje. “Foi um bom momento para parar e refletir”.

Vamos correr? Veja dez músicas que não podem faltar na sua playlist.

Durante este tempo, Caleb trabalhou em músicas novas para o sexto álbum da banda, Mechanical Bull. Em janeiro os integrantes dos Kings se juntaram no novo estúdio deles, uma antiga fábrica de tintas em Nashville, ao produtor de longa data Angelo Petraglia. “Foi como era quando começamos a banda, empolgados para começar logo de uma vez”, diz Nathan.

Vídeo: fã tira a roupa durante show do Kings of Leon e ganha convite para tomar cerveja com a banda.

A primeira música gravada pelo Kings foi “Beautiful War” – uma balada de arena que Caleb compôs no mesmo fim de semana em que escreveu “Use Somebody”, sucesso de 2008. “Tenho esse lado antirrádio dentro de mim”, diz Caleb. “Mas sou muito bom em compor músicas feitas para tocar nas rádios”. Na quase country “Comeback Story”, ele reflete sobre o esgotamento da banda, admitindo, “The bright of the lights, they are burning me out” [“O brilho das luzes está me apagando”]. As sessões prosseguiram com a jam típica do auge das rádios FMs “Rock City” e “Don’t Matter”, que lembra Guns N’ Roses. Um dos destaques, “Family Tree”, tem Caleb cantando sobre um groove de baixo ao estilo da Family Stone que lembra muito os primeiros trabalhos do Kings. “Quando as pessoas ouvirem vão pensar na hora: “A banda em família voltou’”.