Pulse

O que motivou a saída de George Harrison dos Beatles?

O quarteto chegou ao fim entre brigas e discussões - e todos os integrantes saturados um dos outros

Redação Publicado em 08/07/2019, às 17h13

None
Capa do disco Abbey Road, dos Beatles (Foto: Reprodução)

Nos últimos dias dos Beatles, a tensão era gigantesca. Paul McCartney e John Lennon, outrora unha e carne, não conseguiam mais se reunir sem soltar faíscas. O confronto era tão grande que muitas vezes o desagrado dos outros integrantes do quarteto, Ringo Starr e George Harrison, são deixados de lado nas histórias do fim da banda. 

Mas, na verdade, Harrison já estava saturado de drama bem antes do final oficial da banda, em 1970, e no ano anterior foi o primeiro a anunciar que desistia dos Beatles. A vontade de sair do grupo veio durante as gravações de Let It Be, em 1969. Na época, todos os integrantes tinham ganhado um novo patamar na escala de “músicos notórios”, advindos do lançamento estrondoso do White Album (1968), apelidade de "álbum da tensão", e Harrison ganhou destaque com suas composições - mas não era reconhecido dentro do próprio grupo. 

+++ LEIA MAIS: O fim dos Beatles: como caprichos e raiva destruíram a maior banda de todos os tempos

E foi isso que fez com que ele cansasse de tudo. Queria apresentar suas próprias músicas e influências nos Beatles, como uma introdução de música indiana, mas Paul McCartney dominava a área e não queria abrir mão do papel de principal compositor. “Meu problema era que era muito difícil incluir qualquer coisa, porque o Paul era muito teimoso nisso”, disse Harrison à Rolling Stone. “Quando ele finalmente aceitava tocar alguma das suas músicas, era maravilhoso. Mas você tinha que tocar 59 músicas criadas por Paul antes dele aceitar pelo menos ouvir uma sua.”

E embora George tenha chegado ao limite, arrumado suas malas e ameaçado sair dos Beatles, Paul conseguiu convencê-lo a ficar e terminar Let It Be, feito que não repetiu com John Lennon, que abandonou a banda antes do fim das gravações do disco. E, no fim das contas, Harrison conseguiu enquadrar apenas duas composições próprias entre as 12 faixas do disco: “For You Blue” e “I Me Mine”, a última já gravada sem Lennon.

+++ LEIA MAIS: Yesterday: o que mais não existiria em um mundo sem os Beatles?

A teimosia e monopolização de Paul McCartney aliadas a outros fatores como os supostos pitacos de Yoko Ono na sua amizade com Lennon fizeram com que George Harrison se cansasse dos Beatles, e percebeu que não queria mais nada durante a icônica apresentação da banda no telhado da Apple. 

“Eles estavam filmando a gente, e não foi de repente, mas eu pensei ‘qual o sentido disso? Eu sou extremamente capaz de ser bem feliz sozinho, e não consigo mais ser feliz nesta situação. Vou embora daqui.’ Todos nós estávamos passando por isso. Ringo já tinha saído, e eu sabia que o John também não queria mais. Foi tudo muito difícil e estressante, e ser filmado nisso foi horrível. Levantei e pensei ‘não vou mais fazer isso. Vou embora daqui’.”

+++ LEIA MAIS: Quando John Lennon percebeu que era o fim dos Beatles?

Entre tensões, ameaças e brigas, os Beatles gravaram seus dois últimos discos - Abbey Road e Let It Be- até que, enfim, se separaram. Nos anos posteriores, seus integrantes se entenderam - Paul, John e Ringo tocaram juntos mais uma vez, e Harrison e Lennon voltaram a ser próximos eventualmente.

+++ SESSION ROLLING STONE: Cynthia Luz acredita no amor puro com "Não Sou Sem Nós"