O que o clipe de 'Stupid Love' diz sobre o novo disco da Lady Gaga: volta ao pop, título e mais

Pop, colorido, cromático - a nova e velha Gaga

Redação Publicado em 01/03/2020, às 10h02

None
Lady Gaga em "Stupid Love" (Foto: Reprodução / Instagram)

Lady Gaga lançou nesta sexta, 28, o clipe de “Stupid Love.” A faixa faz parte do novo disco da cantora, LG6- ou Lady Gaga 6, número do álbum. Vista como o retorno do pop-Madonna para a cantora, o clipe (e outros indícios) fala um pouco do que podemos esperar do novo trabalho:

Visual e Chromatica

+++ LEIA MAIS: E se a namorada do seu ex fosse Lady Gaga? Jornalista detalha situação que vive

A começar pelo nome. Embora não seja oficial, por enquanto, provavelmente Chromaticaserá o título de LG6. Presumia-se isso antes do clipe, pois na imagem de divulgação do single, havia a palavra.

Agora, a suposição aumentou. No final do clipe de “Stupid Love”, depois de Gaga e o elenco dançar bastante, a tela silencia. “Chromatica” aparece, escrito em letras rosa e brilhantes, com o glamour do disco.

+++ LEIA MAIS: Stupid Love: o que esperar do futuro de Lady Gaga no pop?

Mas por quê? Bom, isso vai além e chega em outro trabalho da Gaga: Haus Laboratories, linha de maquiagem e cosmético da cantora. Acima de tudo, a marca é colorida. Mas Lady Gaga apresenta-a sempre com muito, muito rosa - a cor escolhida para ela em “Stupid Love”. Parece que escolheu as cores como tema.

O resto do clipe também reforça alusão a cores. Embora o cenário seja neutro, os figurinos dos bailarinos, não. Há todas as cores do arco-íris (e também o preto) em sincronia. Se cromática, na física, estuda as cores e suas propriedades, Gaga poderia passar essa mensagem.

+++ LEIA MAIS: Lady Gaga diz que desenvolveu distúrbio de ansiedade após ser estuprada

Música pop

“Stupid Love” vazou há algumas semanas. Surpreendeu positivamente pela vibe completamente pop anos 80, Madonna Wannabe… Algo quase “clássico.” Bastante Gaga, também.

A cantora explodiu, em 2008, com “Poker Face” e “Just Dance” (ambas de The Fame, disco do mesmo ano). Era um pop sincero, escandaloso e excêntrico - e não demorou a marcar Lady Gaga com esses mesmos adjetivos.

+++ LEIA MAIS: Mãe de Lady Gaga acredita que errou por não perceber depressão da filha: ‘Não vi os sinais de alerta’

Pouco a pouco, porém, Gaga fugiu dessa ideia. Continuou pop com Born This Way (2011) (aqui, adquiriu “política” para a lista de qualidades, também, ao torna-se ativista LGBTQ+). Artpop(2013) mantinha a linha, mas nem tanto assim: indicava mudança.

Essa veio em Cheek to Cheek (2014), uma reinvenção pop-jazz para “apresentar a música para nova geração”. Apelou para composições de grandes nomes do gênero veterano, como Duke Ellington, Johnny Burke, Cole Porter e Irving Berlin.

+++ LEIA MAIS: Madonna tratou Lady Gaga de maneira “nojenta e descortês,” diz Elton John

Joanne (2016) também fugia do padrão-final-da-década-de-2000 da Gaga. Disco bastante sóbrio, flertava com o soft rock e R&B.

Mas, então, “Stupid Love”. BastanteGaga inicial. Uma volta para consagração da cantora, uma reinvenção de velhos costumes. Provavelmente, essa é a cara de LG6/Chromatica. Bastante Lady Gaga...


+++ KAROL CONKA NO DESAFIO 'MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO'