Pulse

O que Paul McCartney e Ringo Starr acharam do filme dos Beatles "sem os Beatles"?

Yesterday, de Danny Boyle, reimaginou um mundo no qual o quarteto britânico nunca existiu - exceto para um músico, que decide tomar para si as canções

Redação Publicado em 01/07/2019, às 17h16

None
Paul McCartney e Ringo Starr (Foto:Evan Agostini/AP)

Yesterday, filme lançado na última sexta, 28, tem uma premissa interessante: é mais um filme sobre os Beatles, mas acontece em um mundo onde osBeatles nunca existiram. Na história, Jack Malik (Himesh Patel) sofre um acidente e acorda em um mundo que não conhece a banda mais famosa do mundo - e por isso, ele finge que todas as composições são suas. 

Danny Boyle, o criador do filme, é fã do quarteto britânico e desde o começo quis fazer tudo para agradar os dois integrantes vivos da banda - Paul McCartney e Ringo Starr - e honrar os que faleceram - John Lennon e George Harrison. E fez questão de saber o que acharam de Yesterday.

+++ O fim dos Beatles: como caprichos e raiva destruíram a maior banda de todos os tempos

“Mandamos cópias do filme completo para todos, e recebemos uma mensagem incrível do Ringo e de Barbara [Bach], e uma resposta sensacional de Olivia [Harrison], viúva de George. Eu acho que Paul ainda não viu o filme, mas amou o trailer”, disse Boyle para o USA Today. 

Desde o princípio, Boyle pensou em fazer um filme que não precisasse da autorização dos Beatles para nascer. Por isso, optou por fazer apenas covers, que são bem mais baratos do que as composições originais. Mas para usar as músicas, mesmo com interpretação própria, precisava da permissão da Apple Corps, empresa da banda.

+++ Quando John Lennon percebeu que era o fim dos Beatles?

Isso foi fácil, já que o roteiro foi bem recebido pelo fato de ser uma história original e não uma biografia como tantas outras. “Eles não teriam dado permissão para tocarmos 15 músicas se pensassem que a ideia era ruim ou ia denegrir  os Beatles”, contou Boyle à Rolling Stone EUA, explicando porque conseguiram usar um grande número de músicas. 

A única parte do filme que precisou da permissão de uso de Paul, Ringo e de representantes de JohnGeorge foi a música usada nos créditos finais - que não é um cover, e sim uma autêntica canção dos Beatles.

+++ De Emicida a Beyoncé: Drik Barbosa escolhe os melhores de todos os tempos