O Renascimento do Red Hot Chili Peppers

Por David Fricke Publicado em 09/08/2011, às 14h56

QUASE TUDO NOVO (Da esq.) Chad Smith, Flea, Anthony Kiedis e o estreante Josh Klinghoffer
CLARA BALZARY

Leia abaixo um trecho da matéria publicada na edição 59 da Rolling Stone Brasil, nas bancas a partir de 9 de agosto

Josh Klinghoffer, o novo guitarrista do Red Hot Chili Peppers, lembra-se exatamente qual foi o dia em que começou a compor com a banda: 12 de outubro de 2009. Seu predecessor, John Frusciante, já havia abandonado o posto, embora só fosse anunciar a decisão oficialmente em dezembro. Klinghoffer já tinha trabalhado com o Chili Peppers como músico de apoio, na última turnê. Mas naquele dia, em Los Angeles, ele estava tocando com o vocalista Anthony Kiedis, o baixista Flea e o baterista Chad Smith pela primeira vez como possível integrante oficial.

Klinghoffer, Flea e Smith estavam só "improvisando de bobeira", lembra o guitarrista, "quando Anthony entrou e disse: 'Perdemos um bom homem hoje.'" Brendan Mullen, que dirigia a histórica casa noturna punk The Masque (e era amigo próximo do grupo), tinha morrido de infarto. "Foi um modo estranho de se começar", diz Klinghoffer, 31 anos. "Um início e um fim. De algum modo aquela música saiu disso." Ele se refere a "Brendan's Death Song", um réquiem dinâmico para Mullen - parte luto acústico, parte despedida hard rock - que está no novo trabalho da banda, I'm with You. "Anthony começou a cantar, e nós improvisamos", explica Flea, ainda maravilhado. "Foi a primeira música do álbum." O quarteto compôs boa parte de outra faixa naquele mesmo dia, uma coisa funkeada, sombria e puxada por um riff, que virou "Annie Wants a Baby" - música que também entrou no CD, produzido por Rick Rubin e que sai no dia 30 de agosto.