O Som do Pasquim ganha nova edição

Coletânea de entrevistas do jornal, lançada originalmente em 1976, inclui conversas polêmicas com Chico Buarque e Tom Jobim

Da redação Publicado em 03/02/2009, às 15h28

O livro O Som do Pasquim, lançado pela primeira vez em 1976, ganhou uma nova edição. A coletânea reúne as melhores entrevistas feitas pela equipe do extinto semanário subversivo O Pasquim com estrelas da música brasileira desde a sua criação, em 1969. A informaçao é do jornal Folha de S. Paulo.

Organizada agora pelo ex-colaborador Tárik de Sousa, a reedição traz bate-papos onde Chico Buarque revela ter roubado carros na adolescência e Tom Jobim confessa ter inscrito "Sabiá" no 3º Festival Internacional na Canção apenas para livrar-se do risco de compor a mesa de jurados.

"Não havia ainda o politicamente correto", disse Tárik em entrevista à publicação. "Então não era preciso pensar dez vezes antes de falar para não incorrer em infrações éticas".

Entretanto, estrelas como Roberto Carlos e Maria Bethânia não autorizaram a republicação de suas entrevistas. Agnaldo Timóteo pediu para incluir uma retratação no livro, já que na entrevista dada em 1972 disse sem papas na língua que Caetano Veloso não sabia cantar, que a linha melodiosa de Chico Buarque era "uma merda" e que Milton Nascimento era burro; no pé da entrevista, escreveu: "A história desses personagens está acima de uma análise ignorante e preconceituosa de décadas atrás".

Caetano, ao lado de Lupícinio Rodrigues, Luiz Gonzaga, Raul Seixas, Martinho da Vila, Waldick Soriano e Moreira da Silva completam a lista de entrevistados.

A publicação faz parte da comemoração dos 40 anos do jornal "nanico", como chamavam na época, e que chegou a vender 250 mil exemplares por semana durante os anos 1970.

O Som do Pasquim

Editora Desiderata, São Paulo, 2008

Organização: Tárik de Sousa

336 páginas

R$ 39,90