Os 6 melhores filmes que Kirk Douglas fez em 103 anos de vida: de Spartacus a 20.000 Léguas Submarinas[LISTA]

O ator, pai de Michael Douglas, morreu na última quarta, 5

Redação Publicado em 06/02/2020, às 07h55

None
Montagem de Kirk Douglas (Foto: Reproduzir)

Na última quarta, 5, Kirk Douglas, um dos melhores atores da história do cinema, morreu aos 103 anos. Protagonista em clássicos do cinema, como Spartacus(1960) e 20.000 Léguas Submarinas(1954), ele era um dos últimos astros vivos da Era de Ouro do Cinema Americano.

O ator, pai do astro de O Método Kominsky, Michael Douglas, e do produtor Joel Douglas, participou de filmes famosos, além de ter recebido um Oscar, em 1996, como homenagem pelos "50 anos de modelo moral e criativo para a comunidade cinematográfica."

+++ LEIA MAIS: Ator Kirk Douglas morre aos 103 anos: a despedida de uma lenda do cinema

Kirk Douglas também foi indicado ao Oscar pela atuação em O Invencível (1949), Assim Estava Escrito(1952) e Sede de Viver (1956). O Adoro Cinema listou as melhores produções já feitas pelo ator; confira:

Spartacus (1960)

O filme épico norte-americano foi dirigido por Stanley Kubrick e protagonizado por Kirk Douglas. A produção é considerada um sucesso, e arrecadou cerca de 60 milhões de dólares ao redor do mundo.

O longa ganhou o Globo de Ouro de 1961 por Melhor Drama e venceu o Oscar nas categorias melhor ator coadjuvante (Peter Ustinov), melhor direção de arte colorida, melhor fotografia colorida e melhor figurino colorido.


Glória Feita de Sangue (1957)

O filme norte-americano do gênero drama de guerra também foi dirigido pelo cineasta Stanley Kubrick. Sobre a Primeira Guerra, o longa contou com Kirk Douglas no papel de Coronel Dax, personagem que vai defender três soldados injustamente condenados à morte.

Baseada na obra de Humphrey Cobb, a produção recebeu a avaliação de 95% no Rotten tomatoes, além de ter sido indicado ao BAFTA como melhor filme. Em 1992, o longa foi considerado "cultural, historicamente e esteticamente significativo" pela Biblioteca do Congresso e foi selecionado para preservação no National Film Registry dos Estados Unidos.


A Montanha dos Sete Abutres(1951)

O drama dirigido por Billy Wilder contou com Kirk Douglas no papel do protagonista Charles Tatum, um repórter desmotivado. O longa foi nomeado ao Oscar pela categoria Melhor Roteiro.

Apesar das críticas satisfatórias na época do lançamento, anos depois, o longa foi considerado fascinante, e foi elogiado por mostrar ao público o “pior da natureza humana”, como escreveu o Time Out London.


Nimitz - De Volta ao Inferno(1980)

O filme alternativo de ficção científica contou com Kirk Douglas no papel do protagonista Matthew Yelland. Produzido por Peter Vincent Douglas, o longa recebeu críticas mistas, e foi nomeado ao Saturn Award pela categoria Melhor Filme de ficção e Melhor ator (Kirk Douglas).


20000 Léguas Submarinas(1954)

O clássico, baseado na obra homônima de Júlio Verne, foi protagonizado por Kirk Douglas no papel do arpoador Ned Land. Produzido pelos Estúdios Disney, o longa ganhou duas categorias do Oscar pelos efeitos especiais e direção artística.

Na época de lançamento, o longa, que arrecadou cerca de US$28 milhões de bilheteria, foi avaliado positivamente. Anos mais tarde, a produção de Walt Disney foi evidenciada por estar além de seu tempo, recebendo avaliação de 89% de aprovação no Rotten Tomatoes.


Sem Lei e Sem Alma(1957)

No estilo Velho Oeste, o longa é baseado nos fatos ocorridos no tiroteio do O.K. Corral. A produção contou com Kirk Douglas no papel do dentista Doc Holliday. O filme foi indicado ao Oscar pelas categorias Melhor Som e Melhor Edição.

Dirigido por John Sturges, Sem Lei e Sem Alma foi criticado por algumas incongruências históricas relacionadas ao Gunfight at the O.K. Corral, um tiroteio de 30 segundos ocorrido em 26 de outubro de 1881. Mesmo assim, o filme foi majoritariamente bem recebido pela crítica, e a canção "Gunfight at the O.K. Corral", feita para o longa, é considerada uma das 100 melhores músicas do Oeste norte-americano.


 +++ MELHORES DISCOS BRASILEIROS DE 2019 (PARTE 2), SEGUNDO A ROLLING STONE BRASIL