Os efeitos especiais da São Paulo Fashion Week

O site da Rolling Stone Brasil elegeu cinco marcas que causaram impacto com a cenografia na semana de moda paulistana

Por Anna Virginia Balloussier Publicado em 23/06/2009, às 08h00

Samuel Cirnansck colocou carros na passarela para homenagear Aleida Averhoff de la Riva, ícone de beleza em Cuba na década de 40

Ver Galeria
(6 imagens)

Imagine um filme como Transformers. Agora retire os efeitos especiais. É claro que a polpa continua lá: o enredo, os atores, a tal faísca do cinema. Mas grande parte da graça vai embora quando temos tudo isso... sobre um fundo verde. Daqueles onde projetamos os carrões-robôs de mentirinha. Nem um dos casais mais cool de Hollywood, Shia LaBeouf e Megan Fox, seguram esse tranco.

Com a moda funciona mais ou menos assim. Você pode ter roupas deslumbrantes e modelos de parar o trânsito. Só que cenografia e efeitos, muitas vezes, são coadjuvantes que dão todo sentido ao filme.

A reportagem do site da Rolling Stone Brasil varou pelos seis dias da São Paulo Fashion Week. A maior semana de moda do país terminou na segunda, 22, com um número de dança com gostinho de "Moulin Rouge encontra Bollywood" - todo encerramento da SPFW traz um número-surpresa, e o desta edição contou com uma equipe de 40 bailarinos, que começou a dança pelo pátio central do Pavilhão da Bienal.

Momentos como esse ilustram bem como elementos não diretamente ligados a roupas podem ajudar a criar o clima de uma semana de moda. Dentro das salas de desfile - ou mesmo fora delas, com modelos desfilando a céu aberto -, não foi muito diferente. Houve quem trouxesse três carros à passarela. Outro estilista reconstruiu uma vila devastada por desastres naturais para a passarela - lugar, ao menos na mais caolha das teorias, de glamour e sofisticação.

Aqui vão os cenários e efeitos mais bacanas que a RS Brasil viu na SPFW:

Neon (domingo, 21)

Quem já assistiu a um desfile da grife de Dudu Bertholini e Rita Comparato sabe do que essa dupla é capaz: um desfile que, de tão performático, às vezes se faz passar por teatro - ou mesmo um cabaré. Desta vez, ao trocar as salas do Pavilhão pela Marquise do Ibirapuera, a cenografia contou com uma penca de figurantes involuntários, como ciclistas e famílias que foram curtir seu domingo no parque. Longe de fazer parte da lista de convidados da marca, dois garotos tiveram a melhor das vistas: trepados em cima de uma árvore, trocaram olhares marotos quando a modelo Malana (finalista do Brazil's Next Top Model) apareceu com a peça mais ousada do SPFW, um maiô de cores chamativas e fio dental, mais ainda. Para dar o tom, a banda Anéis de Saturno tocou ao vivo a trilha sonora da franquia James Bond.

Reserva (segunda, 22)

A primeira ideia que deu na telha do estilista Rony Meisler era criar um universo inspirado no safári. "Mas logo me toquei que isso desviava da realidade da marca." A coleção acabou batizada "Safári Safado" - agora, sim, o tema na mesma vibe da grife masculina. Se, na edição de inverno, a Reserva terminou o desfile com modelos empunhando bandeiras brancas pela paz, o lance agora era sair à caça - e à caça safada. Para dar um gás a essa atmosfera "cafajeste do bem", a marca convidou a apresentadora e roteirista Fernanda Young para abrir o desfile com um poema de sua autoria. Assinada por Jackson Araújo, a trilha, mash-up de forró, tecnobrega e funk (no melhor estilo João Brasil), incluiu bordões como "você não vale nada mais eu gosto de você" e "chupa que é de uva". Em vez de usar aquela passarela retangular de praxe, a grife optou por uma em forma de seta - alguns meninos desfilaram com colares de pingentes também em seta, apontada para baixo. Não há pecado ao Sul do Equador? Bom, a tática parece ter dado certo, ao menos na "historinha" do desfile: quando todos voltam à passarela, em fila indiana, para encerrar o show, as bochechas dos modelos vêm cobertas de marcas de batom. E olha que o ícone desta coleção é justamente a boca com a linguinha de fora, símbolo máximo de uma banda que você talvez já tenha ouvido falar...

Samuel Cirnansck (segunda, 22)

Para sua coleção de verão, o estilista decidiu homenagear Aleida Averhoff de la Riva. Para isso, convocou a cantora Marina de la Riva, sua amiga e neta do ícone de beleza na Havana dos anos 40. Agora, uma coisa é importante de ser dita: Cirnansck é um camarada de grandes arroubos. Em janeiro, na mesma SPFW, até neve (fake, claro) trouxe à sala de desfile. Desta vez, colocou três carrões na passarela. Na trilha, "Ne Me Quitte Pas" em ritmo caribenho. E Marina foi devidamente incluída no cast.

Confira ainda a vila pós-apocalíptica de Ronaldo Fraga, que mesclou Disneylândia e América Latina, e o streetwear da Cavalera, com direito a passarela improvisada no Minhocão.