Para baterista do Pink Floyd, Apple “saiu impune” das críticas ao lançamento de Songs of Innocence, do U2

“Apple fez coisas bacanas, mas isso também contribuiu com o processo de desvalorização”, disse Nick Mason

Rolling Stone EUA Publicado em 16/01/2015, às 09h19 - Atualizado às 13h34

Nick Mason, baterista do Pink Floyd

Ver Galeria
(8 imagens)

O baterista do Pink Floyd, Nick Mason, acha que a Apple “saiu impune” das críticas envolvendo o lançamento gratuito de Songs of Innocence, do U2, pela gigante empresa de tecnologia. Em entrevista à edição britânica da revista GQ, Mason apontou como o U2 sofreu as consequências negativas, desculpando-se aos usuários do iTunes por “força-los” a ouvir o álbum.

Entenda o lançamento de The Endless River e o fim do Pink Floyd.

Ainda que Mason tenha dito que ele também teria aceitado uma oferta da Apple para divulgar um dos discos dele em troca de 50 milhões de libras, a precipitação do lançamento fez “todo mundo repensar sobre como eles querem que a música chegue ao público, de forma gratuita ou remunerada”.

“Veja, o U2 é uma grande banda e Bono é uma pessoa extraordinária, então isso não é algo anti-U2”, continuou. “Mas isso joga os holofotes em um aspecto vital em toda a ideia de música no século 21. O que também é interessante é que a Apple parece ter saído impune. Ninguém a está culpando. A Apple fez coisas bacanas, mas isso também contribuiu com o processo de desvalorização.”

Veja dez grandes capas de discos criadas por Storm Thorgerson; como Dark Side of The Moon.

O futuro, para ele, é mais provável que esteja nos serviços de streaming, como o Spotify, o qual ele disse estar fazendo o iTunes “parecer meio antiquado”. O Pink Floyd disponibilizou o catálogo para streaming no serviço em 2013.

“O que precisamos é de outros 2 ou 3 bilhões de pessoas usando [o Spotify, que anunciou ter 15 milhões de usuários pagos], então faria mais sentido para os músicos”, disse ainda o baterista.

David Gilmour e Roger Waters revelam por que a frágil colaboração por trás de The Dark Side of the Moon estava fadada a se desmanchar.

Mason, então, concluiu: “No momento, o reembolso por parte dos músicos, particularmente para desconhecidos ou pouco famosos, é... patético. O Pink Floyd certamente não está dizendo: ‘Não faremos isso desse jeito’. Nos iremos fazer streaming, mas o faremos com maior qualidade de áudio e com muito mais vídeo e outras interfaces gráficas que farão parte de uma experiência completa de entretenimento.”