Para a crítica, Homem-Aranha: Longe de Casa foi arruinado pela própria Marvel

Segundo o jornalista Chris Smith, a Marvel devia ter considerado compartilhar o roteiro de Vingadores: Ultimato com os escritores do filme do super-herói

Redação Publicado em 06/08/2019, às 16h43

None
Homem-Aranha: Longe de Casa (Foto: Divulgação)

[Atenção! Esta publicação contém spoilers de Homem-Aranha: Longe de Casa e Vingadores: Ultimato] 

Homem-Aranha: Longe de Casa conclui a Fase 3 do Universo Cinematográfico da Marvel e simultanemente provoca o desenvolvimento para a Fase 4. Com uma execução divertida, o filme oferece muitas cenas épicas, sequências de ação do super-herói que os fãs adoram e ainda ajudou o público a superar o final trágico de Vingadores: Ultimato

+++ LEIA MAIS: Homem-Aranha: Longe de Casa: 9 easter eggs que você pode ter deixado passar

Também vemos o super-herói evoluir muito além do seu papel na vizinhança para viver algo muito mais importante. Além de explorar o resultado de Ultimato, o filme nos dá um vislumbre de como será o futuro em 2023. 

Essa última observação, em específico, aconteceu quando a Marvel decidiu não compartilhar o roteiro dos Vingadores com os escritores do Homem-Aranha 2: Longe de Casa, então eles não puderam ver os detalhes da produção. "Nós não estávamos a par de ler o roteiro de Ultimato", Chris McKenna disse à Backstory Magazine (via ComicBook).

+++ LEIA MAIS: Homem-Aranha, Batman e X-Men: as 10 HQs mais vendidas de todos os tempos [LISTA]

"Sabíamos que estávamos saindo de um final que teria enormes repercussões para Peter. E, por mais que o aviso fosse: 'Ei, estamos saindo algo muito sério e emocionalmente desgastante, vamos tentar manter isso divertido', nós também não podíamos negar que Peter tinha acabado de perdeu padrasto e que haviam muitas perguntas sobre o tipo de herói que ele seria neste novo cenário."

+++ LEIA MAIS: Diretor explica cena pós-créditos em Homem-Aranha: Longe de Casa

Além disso, os editores do Longe de Casa, Dan Lebental e Leigh Folsom Boyd, viram o Ultimato no final do processo de criação do segundo filme do homem-aranha, o que levou Boyd a acreditar inicialmente que todos haviam morrido.

Segundo o jornalista Chris Smith, do BGR, por isso, houve algumas falhas nessa combinação dos roteiros. A primeira grande questão é a existência do EDITH e dos drones. Para ele, os drones teriam desempenhado algum papel na tentativa de lutar contra o exército do Thanos no Ultimato.

+++ LEIA MAIS: Tom Holland quer mais representatividade na Marvel: O mundo não é só sobre caras brancos

Ou poderiam ter mostrado alguma maneira de explicar o por que os drones não estavam ativos no momento da batalha e quem se encarregou de desenvolver o projeto sem o Stark. Na batalha final, eles poderiam ter usado qualquer tipo de força que estivessem disponíveis no complexo dos Vingadores, e especialmente, em 2023, os aviões de combate.

+++ LEIA MAIS: Estátua de mãos do Homem-Aranha é confundida com chifres de demônio e acusada de satanismo

Até porque osVingadoressão a cola que mantém tudo no Universo Cinematográfico da Marvel junto, e é por essa razão que esses problemas nos plots e a continuidade das narrativas são importantes. Claro que queremos rupturas com mágoas e sofrimento, mas poderíamos ter alguns lembretes sobre o que aconteceu com o planeta.

Para Smith, Longe de Casa está fadado ao fracasso por deixar essas brechas na narrativa. "Caso os escritores soubessem de todo o enredo do Ultimato, eles poderiam ter considerado fazer algumas mudanças no enredo". Veja aqui a nossa análise sobre Homem-Aranha: Longe de Casa

+++ LISTA: 13 segredos de 'Ladrão', o terceiro disco do Djonga e um dos melhores de 2019