Paul McCartney contará própria história em novo documentário - ao lado do produtor Rick Rubin

Produção acompanhará os 50 anos de carreira solo do astro, assim como o trabalho dele nos Beatles e Wings

Felipe Grutter (com supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 18/05/2021, às 08h49

None
Paul McCartney (Foto: Reprodução / Kevin Winter / Getty Images)

Paul McCartney lançará uma série documental sobre a própria vida no Hulu. O produtor Rick Rubin também é um dos responsáveis pela produção, intitulada McCartney 3, 2, 1. A informação é do NME.

McCartney 3, 2, 1 explorará a vida musical de McCartney por meio de uma rara entrevista com Rubin. Com seis episódios, o seriado abordará o trabalho do artista nos Beatles, Wings e 50 anos de carreira solo. No streaming, a estreia está marcada para o dia 16 de julho de 2021.

+++LEIA MAIS: A história por trás do termo Fab Four, criado por publicitário dos Beatles [FLASHBACK]

“Os fãs nunca tiveram a oportunidade de ouvir Paul McCartney compartilhar, em detalhes tão expansivos e comemorativos, a experiência de criar o trabalho da vida - mais de 50 anos de música definidora de cultura," afirmou Craig Erwich, presidente do Hulu Originals e ABC Entertainment em comunicado obtido pelo Deadline.

"É incrível ser um espectador enquanto Paul McCartney e Rick Rubin desconstroem como alguns dos maiores sucessos da história da música surgiram. É uma honra que Paul escolheu retornar ao Hulu para compartilhar esta série única," finalizou.

+++LEIA MAIS: Há 45 anos, John Lennon e Paul McCartney se encontraram pela última vez - e quase se apresentaram juntos

McCartney e Rubin também são os produtores executivos de McCartney 3, 2, 1. Zachary Heinzerling dirigiu.


+++ SUPLA: 'NA ARTE A GENTE TEM QUE SER ESPONT NEO' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL


+++MAIS SOBRE BEATLES: 6 curiosidades sobre Let It Be, último disco dos Beatles [LISTA]

No dia 8 de maio de 1970, há exatos 51 anos, os Beatles lançaram o disco Let It Be. Com 12 faixas, a obra encerrou oficialmente a trajetória do Fab Four após John Lennon, Paul McCartney, Ringo Starr e George Harrison anunciarem o fim da banda.

Marcada por momentos descontraídos e conflitos entre os músicos, o álbum e o processo criativo dele entraram para a história. Em homenagem ao disco, selecionamos seis curiosidades sobre Let It Be. Confira:

+++LEIA MAIS: John Lennon tratava as pessoas de maneira 'incrivelmente diferente' de Paul McCartney

Quando e onde?

De acordo com a Rolling Stone EUA, as sessões de Let It Be originalmente tinham o objetivo de reunir os Beatles para o primeiro show deles desde 1966, mas a ideia foi rejeitada por Lennon e Harrison.

Mesmo assim, o Fab Four foi filmado no Twickenham Film Studios e na Apple entre os dias 2 e 31 de janeiro de 1969.

+++LEIA MAIS: Site lista todas músicas dos Beatles cantadas por George Harrison, disco a disco


Um tentativa de união

Sem um direcionamento musical claro, os músicos tentavam se conectar novamente e batizaram o projeto de Get Back, o qual seria divulgado em julho de 1969, segundo o Ultimate Classic Rock.

Porém, o plano não deu certo e logo conflitos surgiram, o que resultou no último show do Fab Four, no topo do prédio da Apple. Mais tarde, eles lançaram Abbey Road (1969), McCartney anunciou o fim dos Beatles e Let It Be finalmente foi divulgado no dia 8 de maio de 1970.

+++ LEIA MAIS: George Harrison tentou ‘se livrar’ de 'Something' antes de gravar a música com os Beatles?


Gravações dolorosas?

Na biografia Lennon Remembers (1971), Harrison revelou ter sido provocado logo nos primeiros dias por McCartney e Lennon, os quais ignoravam as sugestões do guitarrista. No sétimo dia de gravação, o músico deixou a banda.

“Para mim, voltar ao inverno de descontentamento com Beatles no estúdio Twickenham foi muito triste e nada saudável. Lembro de sentir otimismo sobre isso. [...] Mas rapidamente ficou claro que era a mesma coisa de sempre… e seria doloroso mais uma vez,” disse Harrison.

+++ LEIA MAIS: Violino, LSD e deportação: 8 fatos curiosos sobre George Harrison, guitarrista dos Beatles [LISTA]

Lennon também não ficou muito satisfeito e descreveu as gravações como "terríveis". Contudo, McCartney possui outra versão da história. Com a divulgação do documentário The Beatles: Get Back (2021), o qual promete mudar o “olhar deprimente” sobre as sessões deLet it Be, o músico agradeceu a criação de “um filme mostrando a verdade sobre os Beatles gravando juntos.”


Cover de Bob Dylan

Segundo a Rolling Stone EUA, durante as sessões, o Fab Four fez diversos covers de Buddy Holly, Chuck Berry, Tommy Dorsey, Carl Perkins e Little Richard. Além desses artistas, Bob Dylan foi escolhido para o setlist desconstraído dos Beatles.

+++LEIA MAIS: Qual música dos Beatles mudou tudo para Paul McCartney?

No primeiro dia de gravação, o quarteto gravou "I Shall Be Released", canção escrita por Dylan em 1967. Confira o registro dos músicos:


Mixagem de Phil Spector

Após diversas sessões, os Beatles entregaram o material de Let It Be para Phil Spector . O produtor adicionou coro em quatro músicas, colocou overdubs de orquestra e trocou “Don't Let Me Down” por por uma versão de “Across the Universe” de 1968.

+++LEIA MAIS: Ringo Starr elogia documentário dos Beatles de Peter Jackson: 'Faz lembrar como nos amávamos'

Para Lennon, Spector "recebeu a pior carga de m*rdas mal gravadas" e "fez um ótimo trabalho. Harrison também aprovou o resultado final e Starr disse em The Beatles Anthology (2000): "Gosto do que Phil fez ... Não adianta trazê-lo se você não vai gostar do jeito que ele faz.”

Contudo, McCartney não ficou satisfeito e, em 2003, lançou uma nova versão do disco, chamada Let It Be ... Naked.

+++LEIA MAIS:O que Paul McCartney descobriu quando ouviu Sgt. Pepper's ao contrário?


Hits

De acordo com o Ultimate Classic Rock, Let It Bealcançou o primeiro lugar nas paradas, além de ter conquistado a mesma posição com a faixa-título e o single "The Long and Winding Road".