Paul McCartney explica porque Beatles eram melhor que Rolling Stones: ‘Tudo que fazíamos, eles faziam logo depois’

O artista comentou sobre as bandas no The Howard Stern Show

Andy Greene, Rolling Stone EUA Publicado em 16/04/2020, às 16h37

None
Os Beatles em 1968 (Foto: AP Images)

Paul McCartney telefonou para o The Howard Stern Show na terça-feira de manhã para uma conversa abrangente que tocou em tudo, desde o amor por Billie Eilish até a vida durante a quarentena e a antiga rivalidade dos Beatles com os Rolling Stones. Stern sugeriu que os Beatles eram a melhor banda e McCartney não discordou.

"Você sabe que vai me convencer a concordar com isso", disse McCartney. “Eles estão enraizados no blues. Quando eles estão escrevendo coisas, isso tem a ver com o blues. Tivemos um pouco mais de influência. Existem muitas diferenças, e eu amo os Stones, mas estou com você. Os Beatles eram melhores.”

+++LEIA MAIS: O fim dos Beatles em 9 citações: "Ela não é uma Beatle, John, e nunca será"

Stern então mencionou a tentativa dos Stones de criar o próprio álbum estilo Sgt. Pepper no final de 1967, com Their Satanic Majesties Request. "Começamos a perceber que, o que quer que tenhamos feito, os Stones meio que fizeram isso logo depois", disse McCartney

“Fomos para a América e tivemos um enorme sucesso. Então os Stones foram para a América. Nós fizemos Sgt. Pepper. e os Stones fizeram um álbum psicodélico. Há muito disso. Nós éramos grandes amigos, ainda somos meio que. Nós nos admiramos. Os Stones são um grupo fantástico. Vou vê-los sempre que posso. Eles são uma ótima, ótima banda”, continuou.

+++ LEIA MAIS: Paul McCartney ou John Lennon: quem cantou mais músicas dos Beatles?

McCartney não está promovendo muito no momento, já que o coronavírus fechou a maior parte da indústria da música. No entanto, ele falou sobre o próximo documentário The Beatles: Get Back. O filme é dirigido por Peter Jackson e baseia-se em cenas inéditas filmadas durante a produção de Let It Be, em 1969. O áudio da filmagem vazou há muitos anos, mas a grande maioria das imagens que não entraram no filme original Let It Be nunca foram vistas.

"[Jackson] conseguiu cerca de 54 horas de filmagem", disse o artista. "Eu vou te dizer, Howard, é ótimo. Eu não estou falando besteira. Você vê esse tipo de coisa, esse relacionamento entre eu e John e eu e George. Você vai entender."

+++ LEIA MAIS: Vídeo mais antigo dos Beatles foi feito sem querer pela polícia de Liverpool

As sessões Let It Be eram famosamente tensas e isso é bastante evidente no filme original, mas McCartney diz que ficou chocado com o que viu na nova versão de Jackson. "Eu meio que comprei toda essa ideia de que eu e John éramos rivais e não gostávamos um do outro", contou ele. 

"Mas você vê o filme e é como, 'Graças a Deus, isso não é verdade.' Estamos obviamente nos divertindo juntos. Você pode ver que nos respeitamos e estamos fazendo música juntos, e é uma alegria vê-la acontecer. "

+++LEIA MAIS: O dia em que John Lennon comparou os Beatles a Jesus Cristo - e depois se justificou; assista

O músico se juntou a Jackson pela primeira vez quando a turnê mundial dele chegou à Nova Zelândia no final de 2017. “Eu o conheci e disse: 'Como está?', Pensando que seria mais como um prelúdio da banda se separando”, McCartney lembrou. "Ele me disse: 'Foi o que eu pensei. Mas quanto mais eu olho para isso, é ótimo. Você parece amigos e parece que estão se divertindo.’”

The Beatles: Get Back está programado para chegar aos cinemas em 4 de setembro, mas é possível que o coronavírus faça com que seja adiado para uma data posterior. "Ninguém sabe quando algo sairá agora", disse McCartney. “Mas vai sair. A Disney vai divulgá-lo.” 

Assista à entrevista:


+++ SESSION RS: SCALENE TOCA ASSOMBRA