Pulse

Paul McCartney: "Beatles consideraram a possibilidade de uma reunião"

O músico diz que as tentativas de juntar o grupo nunca conseguiram ter os quatro integrantes a favor

<i>Rolling Stone EUA</i> Publicado em 16/02/2012, às 13h21 - Atualizado às 15h20

Paul McCartney
AP

Leia abaixo trechos da entrevista realizada por Brian Hiatt para a matéria de capa da edição 1151 da Rolling Stone EUA.

Os Beatles consideraram a possibilidade de voltarem à ativa quando os quatro integrantes ainda eram vivos, conta Paul McCartney. "Discutimos o plano de juntar os Beatles algumas vezes", ele disse à Rolling Stone EUA, "mas não se concretizou, não havia paixão o suficiente por trás da ideia."

De acordo com McCartney, a banda estava bastante satisfeita com o ciclo criativo que tinham completado e tinha medo de estragar seu legado. "Mais do que isso, poderíamos ter arruinado todo o conceito de Beatles, ao ponto de dizerem: 'Ah, meu Deus, eles não eram bons”, ele acredita. “As sugestões de reunião nunca foram convincentes o suficiente. Eram bacanas quando aconteciam - 'Seria bom, sim’ – mas aí algum de nós sempre acabava sempre não gostando. E isso bastava, pois éramos uma perfeita democracia.”

Apesar de os Fab Four nunca terem se reunido, várias combinações de membros da banda tocaram juntos em diferentes projetos e ocasiões especiais nas décadas seguintes ao fim do grupo, em 1970. Ringo Starr apareceu em gravações solo de John Lennon, George Harrison e McCartney, e tanto Starr quanto McCarney apareceram em "All These Years Ago", canção de Harrison escrita em homenagem a Lennon. Os três também terminaram demos "Free As A Bird" e "Real Love", de Lennon, para a série Beatles Anthology.

Alguns dos Beatles também se reconectaram para colaborações aleatórias ao vivo, incluindo a performance de Starr e Harrison juntos no Concert for Bangladesh em 1971 e a vez em que McCartney, Harrison e Starr tocaram “Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" no casamento de Eric Clapton em 1979.

McCartney e Lennon se reuniram rapidamente para uma jam session em estúdio em 1974, que também contou com a presença de Stevie Wonder, Harry Nillson, Linda McCartney e Bobby Keys. "Estávamos chapados”, McCartney conta sobre a sessão, que foi imortalizada no bootleg Toot and a Snore. "Eu acho que não tinha ninguém naquele estúdio que não estivesse chapado. Por alguma razão bizarra, decidi assumir a bateria. Era só uma festa, sabe. Usar a palavra ‘desorganizado’ seria subestimar completamente. Pode ser que eu tenha feito uma tentativa fraquinha de restaurar a ordem – 'pessoal, sabe, vamos pensar em uma música, essa seria uma boa ideia' – mas não consigo lembrar se fiz isso mesmo ou não."