Paul Stanley, do Kiss, relembra primeiro show do Led Zeppelin que assistiu: "Nunca vi nada tão perfeito"

O vocalista do Kiss ficou impressionado ao ver apresentação de 1969: "Absolutamente deslumbrado"

Redação Publicado em 30/10/2019, às 17h27

None
Paul Stanley (Foto: Richard Shotwell / Invision / AP)

Paul Stanley conversou com Dean Delray no podcast Let There Be Talk, publicado na última segunda, 28, no Soundcloud. O vocalista do Kiss se impressionou ao ver Led Zeppelin tocar pela primeira vez, e comentou isso com Delray. 

Segundo Stanley, a primeira vez que viu Led Zeppelin foi em agosto de 1969, entre o primeiro e segundo disco do grupo: "Estavam tocando 'What Is And What Should Never Be' [...]"

+++LEIA MAIS: Paul Stanley, do Kiss, pretende assustar tubarões brancos com show "submerso"

O vocalista e guitarrista do Kiss falou sobre a performance da banda: "Jimmy [Paige] estava com seu arco e eles moviam a guitarra dele para esquerda e direita, de modo que pudesse apontá-lo. Estava absolutamente deslumbrado. Até hoje, nunca vi nada tão perfeito," revelou Paul Stanley

A apresentação não era apenas sincrônica. Segundo Stanley, a energia era arrebatadora: "Era a energia sexual vindo do palco, a extravagância [...] Fizeram o backup. Acho que sabiam o quanto eram ótimos, e eu estava apenas..."

+++LEIA MAIS: Gene Simmons diz que turnê de despedida do Kiss ainda seguirá por mais dois anos

Paul Stanley também relembrou a performance de Robert Plant, vocalista do Led Zeppelin: "Cantava como algo de outro planeta. Alcançava notas sem esforço, e havia muita bravata em tudo que faziam. Surpreendeu-me."

O vocalista do Kiss contou detalhes sobre o surgimento da amizade com o guitarrista Jimmy Page. Revelou um ditado popular sobre conhecer seus ídolos: "Há um velho provérbio sobre ter cautela ao encontrar seus heróis e inspirações, porque, francamente, muitos são idiotas. Jimmy é o oposto."

+++LEIA MAIS: Orgasmos, latas de lixo e explosivos: como nasceu o disco clássico Led Zeppelin II

Além disso, Stanley caracterizou Page como "o mais importante e influente guitarrista", não só em termos de técnica, mas, principalmente, em relação à visão: "O que ele criou foi sinfônico."