Pearl Jam chama atenção para ‘racismo inconsciente’: ‘É obrigação de cada um se educar’

A banda usou as redes sociais para falar sobre o assunto após a morte de George Floyd

Redação Publicado em 05/06/2020, às 16h44

None
Eddie Vedder (Foto: Amy Harris / Invision / AP)

O Pearl Jam usou o Twitter nesta semana logo após a morte de George Floyd, um homem negro por um policial branco, para refletir sobre a discriminação e reforçar sobre a necessidade de "fazer melhor" quando se trata de combater o racismo.

+++LEIA MAIS: 7 músicas do Pearl Jam para 'ficar em paz' e enfrentar os tempos difíceis [LISTA]

Floyd morreu sob custódia da polícia de Minneapolis na semana passada, o que gerou protestos em todo o mundo. O policial Derek Chauvin foi acusado de assassinato em segundo grau e homicídio culposo, de acordo com a NME.

O movimento #BlackLivesMatter tomou conta da internet. Diversos artistas e celebridades pautaram o assunto e o Pearl Jam também falou sobre o caso.

"O Pearl Jam começou com um amor pela música e pela justiça social. Nossa organização tem refletido sobre onde o racismo inconsciente ainda está aparecendo em nossas próprias vidas e como podemos fazer para sermos melhores", escreveram.

+++LEIA MAIS: 'This is America', de Childish Gambino, 'Fuck the Police', do N.W.A., e outros hinos antirracistas disparam em audiência com protestos nos EUA

"Não queremos contribuir para que as vozes brancas superem a narrativa que a comunidade negra está compartilhando. É obrigação de cada um de nós ouvir e educar-nos sobre como podemos ser humanos melhores", concluíram. Ainda, a banda anexou um link para um blog que detalha as formas mais eficazes de apoio.

Veja os tuítes: 


+++ VITOR KLEY | A TAL CANÇÃO PRA LUA | SESSION ROLLING STONE