Pearl Jam, Guns N' Roses, Nickelback e outras bandas famosas receberam auxílio do governo dos EUA

Eagles, My Chemical Romance, Green Day, Tool, Imagine Dragons e outros artistas também receberam empréstimos para ajudar a pagar a equipe dos shows e turnês canceladas

Ethan Millman, Rolling Stone EUA Publicado em 08/07/2020, às 16h47

None
Eddie Vedder (Foto: Amy Harris / Invision / AP)

Devido à pandemia de coronavírus, diversas turnês foram adiadas ou canceladas. Sem shows desde março, grandes bandas como Eagles, Pearl Jam, Guns N’ Roses e Green Day receberam auxílio do governo dos Estados Unidos para pagar as equipes das apresentações. Os dados foram divulgados na última segunda, 6, pelo Departamento de Administração e Tesouraria de Pequenas Empresas.

+++LEIA MAIS: Tupac Shakur pede auxílio de emergência nos EUA, mas governo negou por achar mentira; entenda

O apoio financeiro faz parte de lei CARES, que possuiu US$ 2 trilhões e foi recentemente promulgada pelo governo norte-americano para apoiar pequenas empresas afetadas pelo coronavírus

Alguns dos maiores empréstimos entre as bandas foram dos Eagles, Pearl Jam e Disturbed - que receberam entre US$ 350 mil e US$ 1 milhão. Outros artistas receberam de US$ 150 mil a US$ 350 mil. A Rolling Stone EUA identificou que entre os 660 mil beneficiários, mais de 50 são músicos e grupos. 

Tool, Nickelback, ImagineDragons, Incubus, Slipknot, My Chemical Romance, Wilco, Weezer, Cheap Trick, Tim McGraw, Chainsmokers, Bon Iver’s Justin Vernon, Disturbed, Gary Clark Jr., Papa Roach, Ryan Tedder e The Head and the Heart também receberam empréstimos semelhantes. 

+++LEIA MAIS: Governo de Trump considera banir TikTok e outros aplicativos chineses dos EUA

Além das bandas, estrelas do rap como Wiz Khalifa, French Montana e Lil Jon, receberam empréstimos - e também foi o caso de artistas do country como Rascal Flatts, Chris Stapleton, Luke Combs, Kip Moore e Jason Isbell

"Como a maioria das turnês que aconteciam este ano, a do My Chemical Romance foi cancelada", disse a banda à Rolling Stone EUA. “O MCR recebeu dinheiro do Programa de Proteção de Cheques (PPP) para garantir que a equipe seja paga nesses tempos de incerteza até que possamos voltar à estrada. Somos muito gratos a essas pessoas qualificadas e dedicadas - algumas delas são pais, outras cuidadoras, outras ainda que simplesmente têm aluguel a pagar - e esse dinheiro as ajuda a cuidar de si e de suas famílias”. 

Na segunda, 6, o Reino Unido anunciou um resgate de US$ 2 bilhões para empresas relacionadas a artes, como locais de concertos. No entanto, nos EUA, a ajuda para o ramo da música ao vivo tem sido diferente. Desde abril, a National Independent Venue Association (NIVA) pressionou os legisladores a darem mais assistência aos locais, que foram completamente fechados devido às medidas de distanciamento social com poucos meios alternativos de receita.

+++LEIA MAIS: Novo secretário de cultura, Mário Frias chama auxílio de R$ 600 de esmola: ‘Artista quer trabalhar’

A NIVA, fundada em abril, começou com cerca de 800 locais participantes e agora tem quase 2.000 locais como membros. Em maio, a Associação afirmou que 90% dos locais não poderiam operar por mais de seis meses sem assistência do governo. Anteriormente, o vice-presidente da NIVA, Justin Kantor, falou sobre a situação à Rolling Stone EUA: "Você verá muito mais fechamentos dos que estão acontecendo. No momento, há três ou quatro locais no país que por semana anunciam isso publicamente, mas muitos [outros] provavelmente estão em péssimas condições - eles apenas ainda não foram chutados oficialmente pelo proprietário”.

De acordo com os dados, os empréstimos são listados especificamente para as empresas de turnê dos artistas - e o empréstimo do Eagles, por exemplo, ajudou a reter 50 empregos. No início da pandemia, grandes empresas como a rede de hambúrgueres Shake Shack devolveram empréstimos a pequenas empresas após críticas. O Los Angeles Lakers, uma das franquias esportivas mais valiosas do mundo, também recebeu um empréstimo, mas o devolveu.

A lei CARES foi aprovada em abril após a pandemia de coronavírus atingir os EUA fortemente. Além dos empréstimos comerciais, a legislação introduziu verificações de estímulo de US$ 1.200 a destinatários elegíveis. As autoridades divulgaram os dados após a crescente pressão dos meios de comunicação, que anteriormente processavam a Small Business Administration (SBA) por informações sobre quem recebeu empréstimos. As autoridades anunciaram no mês passado que a agência governamental divulgaria os dados.

+++LEIA MAIS: Kanye West vai se inspirar em Wakanda para comandar os EUA, com a ajuda de Elon Musk

Outros negócios relacionados à música também receberam empréstimos: A empresa de roupas de Kanye West, Yeezy, recebeu entre US 2 milhões e US$ 5 milhões, assim como a fabricante de guitarras de ponta PRS. A linha de roupas de West, conhecida pelos famosos tênis, recentemente fechou um acordo com a Gap para produzir uma linha mais acessível ao varejista. Além disso, no início deste ano, a Forbes informou que West era oficialmente um bilionário.


+++ RAEL | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO