Pearl Jam investe em peso e velocidade na segunda noite em São Paulo

O grupo norte-americano tocou mais músicas no segundo show paulistano

Paulo Terron Publicado em 05/11/2011, às 14h45 - Atualizado às 15h12

Como já era esperado, o Pearl Jam fez uma apresentação bastante diferente na segunda noite paulistana, no Morumbi, na sexta-feira, 4. O começo foi extremamente energético, por volta das 21h20, com a sequência “Go”, “Do the Evolution”, “Severed Hand”, “Hail Hail” (do álbum No Code, ignorado no show anterior) e “Got Some”. A plateia de 68 mil pessoas (segundo a organização) só teve tempo para respirar na sexta música, a lenta “Elderly Woman Behind the Counter in a Small Town” (quando o som, inicialmente alto e confuso demais, melhorou).

Quem optou pela segunda noite ainda pôde ouvir dois hits deixados de fora do repertório na estreia: “Last Kiss” (meio bagunçada, com uma quase parada no meio) e “Jeremy”, mais repetecos de “Alive”, “Black” e “Even Flow”.

Se no dia 3 o guitarrista Mike McCready foi a força motora do Pearl Jam, somo solos inspirados e longos, aqui o grupo estava em modo “banda de rock básico”. Apareceram no set “Not For You” (com citação a “Modern Girl”, do Sleater Kinney) e “State of Love and Trust” (da trilha-sonora do marco grunge Singles – Vida de Solteiro). Até a nova “Ole” fez mais sentido nesse contexto.

“Este talvez seja o maior show da turnê, então talvez seja também... o mais longo?”, brincou o vocalista Eddie Vedder, iludindo o público (a duração foi quase idêntica à da noite anterior, mas mais músicas foram apresentadas). O cantor também revelou que “Inside Job”, de Pearl Jam, foi mostrada a ele pela primeira vez em São Paulo, por McCready, em dezembro de 2005, durante a primeira passagem do grupo pela capital.

Dentro da turnê brasileira, o Pearl Jam segue para o Rio de Janeiro (6), Curitiba (9) e Porto Alegre (11). Depois a banda continua o giro pela América Latina com apresentações na Argentina, Chile, Peru, Costa Rica e México.