Peter Jackson nega morte de animais na filmagem de O Hobbit

Diretor publicou um comunicado em sua página no Facebook lamentando os boatos

Redação Publicado em 20/11/2012, às 11h49 - Atualizado às 12h49

Peter Jackson
AP

Peter Jackson decidiu, ele mesmo, afugentar os boatos que se espalhavam desde segunda, 19, de que animais estavam sofrendo maus-tratos e que muitos havia morrido nas filmagens da trilogia O Hobbit. O diretor publicou em sua página oficial no Facebook na madrugada desta terça, 20, uma declaração lamentando as afirmações, segundo ele falsas.

Veja cinco novos banners de O Hobbit: Uma Jornada Inesperada.

“A produção de O Hobbit sempre instituiu investigações rápidas e imediatas para preocupações de qualquer tipo sobre o tratamento dos animais sob os seus cuidados”, escreveu o diretor. “Uma investigação rápida e minuciosa foi feita sobre as recentes acusações feitas pela empresa norte-americana PETA para um cavalo que estava mancando durante uma filmagem de making of de O Hobbit. Não houve evidência de que tal prática ocorreu.”

Ainda na segunda, a Associated Press afirmou que 27 animais envolvidos na produção haviam morrido durante o período de filmagens. As acusações vieram de dois peões entrevistados pela agência.

Jackson cita no comunicado que esses dois homens foram os únicos funcionários cujo tratamento com os animais foi abaixo do nível de cuidado exigido e foram demitidos há mais de um ano. Ele também publicou textos assinados pela veterinária responsável, do fazendeiro local e de Jed Brophy, o ator que vive o anão Nori nos cinemas, todos declarando bons cuidados com os animais durante as filmagens.

O primeiro filme da nova trilogia de Jackson pela fantasiosa Terra-Média, baseado na obra de J. R. R. Tolkien, é O Hobbit: Uma Jornada Inesperada, com estreia no Brasil prevista para 14 de dezembro.