Pink Floyd: afinal, como foi a briga entre Roger Waters e David Gilmour

Disputa entre artistas chegou aos tribunais nos anos 1980

Redação Publicado em 16/07/2020, às 11h12

None
Pink Floyd (Foto: Divulgação)

Roger Waters, membro fundador do Pink Floyd ao lado de David Gilmour, deixou o grupo em 1985. A relação do baixista com os demais integrantes foi abalada e se iniciou uma disputa judicial pelo nome da banda e muito ressentimento entre os dois.

A origem do problema, na opinião de Nick Mason, baterista e membro original, foi falta de respeito, como lembra o Express UK. Roger não respeita David de verdade. Ele sente que escrever é tudo”, contou em entrevista à Rolling Stone EUA em 2018. Waters colocava a composição das letras como o mais importante. 

+++ LEIA MAIS: Roger Waters: “Finalmente vários povos acordaram e estão contestando aqueles que os dominaram por tanto tempo”

Para Mason, Gilmour se irritou com a presunção do colega ao deixar a banda. David deixou a banda e assumiu que, sem ele, ela iria desmoronar”, explicou o baterista. "É irritação constante que ele ainda fale nisso. Hesito em ficar muito preso nessa história porque é algo entre os dois e não me inclui”. O relacionamento de Mason com Waters e Gilmour é amigável. “Acho realmente decepcionante que esses senhores bastante idosos ainda estejam em desacordo”, reprovou.

Em 1987, a disputa judicial pelos direitos do nome da banda gerava troca de farpas na imprensa. “Se alguém ainda merece ser chamado de Pink Floyd, sou eu”, alegava Waters na época. O argumento do baixista era por ter o criador “do porco inflável, o avião” e outros elementos usados nos shows da banda. “Quando garantimos o uso da marca, eu lembro que o Roger dizia: ‘Vocês nunca vão conseguir mais nada’. Investi muito tempo nesta banda para desistir”, respondeu Gilmour. 

+++ LEIA MAIS: Como o Pink Floyd mudou o rock and roll com o primeiro disco da carreira

Recentemente, Waters criticou Gilmour por não incluí-lo no site oficial da banda. Leia aqui


+++ 15 HISTÓRIAS INACREDITÁVEIS (E REAIS) DE OZZY OSBOURNE