Pocket shows a R$ 55

SP Noise tem público pequeno, ingressos caros e apresentações curtas; show de 30 minutos do Black Mountain, atração principal, fecha o primeiro dia de festival

Por Bruna Veloso Publicado em 24/11/2008, às 08h29

Parte da boa apresentação dos finlandeses do Flaming Sideburns pode ser creditada ao carisma do vocalista Eduardo

Ver Galeria
(8 imagens)

Talvez por conta do primeiro feriado prolongado em seis meses, ou pelo ingresso salgado, a primeira edição do SP Noise se tornou um pequeno conjunto de shows para um pequeníssimo público. A perna paulistana do consagrado Goiânia Noise em nada se assemelhou ao pai (que nesta sexta, 21, iniciou sua 14ª edição). Enquanto no estado lembrado pela emigração de duplas sertanejas o ingresso para um dia na maratona de shows custa R$ 20 (ou R$ 30, fora do preço promocional; para os três dias de festival, o valor varia entre R$ 50 e R$ 70), na metrópole, só a entrada para a sexta-feira saiu por R$ 55. Na porta, o valor subia para R$ 65.

Menos de 200 pessoas saíram de suas casas para ver as seis bandas escaladas para o primeiro dia de Noise em São Paulo. Quem se arriscou, assistiu a uma seqüência de pocket shows com no máximo 30 minutos cada. Nem com as duas bandas finais - os finlandeses do Flaming Sideburns e os canadenses do Black Mountain - foi diferente: ambas as apresentações mantiveram o padrão de pouco tempo no palco, com direito a xingamentos da platéia no show de encerramento.

A Eazy, lugar onde acontecem os shows, tem uma boa estrutura. Dois palcos cobertos são separados por uma pequena área aberta, com algumas barraquinhas vendendo camisetas, bottons e CDs. No palco principal, onde o Black Mountain fechou a noite, fica o bar, que assim como o valor dos ingressos, se mostrou quase como uma afronta, em termos de festivais independentes. Em maratonas como Jambolada (MG), Demosul (PR) e Mada (RN) e o próprio Goiânia Noise a água custa no máximo R$ 1,50 e a cerveja R$ 2; em São Paulo o preço foi de R$ 3 e de R$ 5, respectivamente.

Psicodelia e experimentalismo

O Black Mountain subiu ao palco principal às 21h55, com um público um pouco mais volumoso. A sonoridade psicodélica da banda era esperada por boa parte dos pagantes, que viajaram juntos ao som ora pesado, ora etéreo da guitarra do também vocalista Stephen Mcbean. O músico, com cara de quem acabou de chegar dos anos 1970, com cabelos passando os ombros e uma barba que faria inveja a Marcelo Camelo, fica na maior parte do tempo absorto em seu instrumento. Já Amber Webber, a vocalista postada no centro do palco, parecia não estar muito contente e só se desarmou quando alguém da platéia gritou "I love the leadsinger!", ao que sorriu e apontou para Mcbean. A apresentação passou longe de dar uma boa pincelada nos dois álbuns da banda, um homônimo, de 2005, e In The Future, lançado este ano. Depois de pouco mais de meia hora, com músicas longas, como "Angel", "Wucan" e "Queens Will Play", a banda sai do palco. Ao perceber que o grupo não voltaria, algumas pessoas na esparsa platéia ensaiaram um coro de "filhos da puta". Quem pagou por um show completo teve só um gostinho do que é a banda ao vivo (intensa, apesar de não reagir aos pedidos de bis).

No palco menor, o Flaming Sideburns fez a apresentação mais divertida da noite. A banda chegou com cara de country rock: os integrantes usavam uma camisa preta com detalhes em branco, estilo cowboy, enquanto o vocalista Eduardo "Speedo" Martinez vinha de colete de camurça de franjinhas e calça com estampa de pele de onça pintada. Mas o som parece ter sido mais influenciado por bandas como New York Dolls. Guitarras rápidas e dançantes, com um quê de hard rock, deram o tom em faixas como "Save Rock n' Roll". A boa apresentação é em parte creditada à presença de "Speedo", que não pára no palco: desce à platéia, canta abraçado junto a uma garota que assistia ao show e interage ao final, cantando de joelhos, no chão, pedindo para todos fazerem o mesmo.

Da Bélgica, o Motek trouxe um som experimental, com um baixo marcado e muitos efeitos eletrônicos, alternando momentos soturnos e outros lisérgicos. No palco, os integrantes pareciam satisfeitos em estar no país - no MySpace, a banda postou uma mensagem se dizendo orgulhosa por aterrissar aqui, e que "aprender samba é o maior acontecimento" da vida do grupo. Longos trechos instrumentais fazem parte do repertório. Pena que pouca gente pôde curtir o finalzinho do show, já que o Flaming já tomava o palco menor enquanto o Motek ainda tocava.

Antes disso, o quarteto de Florianópolis Os Ambervisions fez uma mistura de surf music com hardcore. O vocalista Zimmer (que começa o show tocando bateria) surge com a cabeça completamente enfaixada e, bem-humorado, apresenta duas vezes a banda como sendo o Black Mountain. O guitarrista e vocalista Amexa estampa um sorriso no rosto pelas estripulias do colega, que toca maracas, bate as costas contra a parede e desce do palco para abraçar e dar tapinhas nas costas da platéia. No som, a banda saiu perdendo: a sonoridade suja foi prejudicada pelo volume extremamente alto do palco menor, sendo que em diversos momentos o que saía das caixas virava uma massa sonora indistinguível. O problema só seria resolvido na apresentação do Flaming.

Os argentinos do The Tormentos teriam botado um grande público para dançar, caso houvesse um grande público no lugar. Com o simpático baixista Mr. M, que fica ao centro do palco, os argentinos mostraram surf music instrumental, divertido e sem pretensões. O som das guitarras, limpo e com efeitos que fazem lembrar, instantaneamente, uma praia, é a marca do quarteto. Aproximadamente 20 minutos mais cedo, o Black Drawing Chalks abriu a noite, com atraso - e para piorar, a entrada da imprensa só foi liberada quando a apresentação já começava. Os vocais, em inglês, saíram desfavorecidos, como aconteceria no resto da noite, pela altura do volume dos instrumentos. No geral, a banda de Goiânia faz um rock direto e reto, com guitarras distorcidas e poucos solos. Destaque para o competente baterista, um dos mais enérgicos da noite.

O segundo dia do Noise SP acontece neste sábado, 22, com as bandas Helmet (que cancelou, na última quarta, 20, o show que faria em Brasília e anunciou sua vinda à capital paulista), Vaselines e Black Lips. Os ingressos custam R$ 80.