Por que John Lennon ficou aterrorizado ao conhecer Elvis Presley?

Em entrevista exclusiva, o astro dos Beatles compartilhou experiências sobre as composições que escreveu e contou sobre o momento em que conheceu Elvis

Redação Publicado em 11/11/2019, às 12h55

None
John Lennon (Foto: AP)

Em uma entrevista exclusiva para o Spin, realizada em 1975, John Lennon se abre para falar sobre família, o legado dos Beatles, as composições e do momento em que conheceu Elvis Presley.

Quando a conversa foi publicada, o beatle havia voltado para o apartamento que dividia com Yoko após passar alguns meses se divertindo com os amigos em Los Angeles. Na época, ele acabava de ter o hit "Whatever Gets You Thru the Night", com Elton John, liderando o número um das paradas da Billboard. Por estar em um momento bom na carreira, Lennon esperava passar por um período mais intropectivo. 

+++ LEIA MAIS: Em 1970, John Lennon revelou qual música dos Beatles ele menos gostava: 'Foi feita às pressas'

Confira alguns trechos da entrevista abaixo: 

Como você faz músicas? Você escreve quando está de bom humor? Sua mente está sempre pensando em escrever?

As melhores coisas geralmente saem por impulso. Ou inspiração. E eu dificilmente tenho que pensar sobre isso. Mas eu estou sempre escrevendo. Seja na minha cabeça, ou se alguém disser alguma coisa, estou guardando isso - uma linha ou uma ideia. Nunca há um momento em que não estou escrevendo, quase. Embora eu não ache que estou escrevendo. Há um momento específico em que apenas me sento e escrevo.

Como você escreve a letra?

Eu apenas rabisco em um pedaço de papel, você sabe. E então deixe em uma espécie de pilha. E quando começa a ser mais interessante, arrisco-me à máquina de escrever e a digito. E a máquina de escrever adiciona coisas também. Eu mudo enquanto digito. Geralmente é o terceiro rascunho que chega à máquina de escrever. Se tudo aconteceu, apenas escrevo e digito. Mas se for uma música geral, digito mais algumas vezes. Mas a versão final nunca é até que tenhamos gravado. Eu sempre troco uma palavra ou duas, no último minuto.

Você tem a letra primeiro e depois faz a música?

Geralmente sim. É melhor. Eu gosto disso. A música é meio fácil. Às vezes, invejo Elton John. Bernie Taupin envia para ele uma grande pilha de palavras e ele escreve todas as músicas em cinco dias. Eu poderia fazer isso. Mas sou egocêntrico demais para usar as palavras de outras pessoas. Esse é o problema. Então, a culpa é minha. Eu ainda gosto de música negra, música disco... “Shame, Shame, Shame” ou “Rock Your Baby”, eu daria meu olho para escrever isso. Mas eu nunca pude. Sou literal demais para escrever "Rock Your Baby". Gostaria de poder. Sou muito intelectual, mesmo não sendo realmente intelectual. Sinto como se fosse um escritor, realmente. E a música é fácil. A música está em todo lugar.

Como é para um garoto [Julian] de 11 anos ter John Lennon como pai?

Deve ser um inferno.

Ele fala sobre isso com você?

Não, porque ele é fã dos Beatles. Quer dizer, o que você espera? Eu acho que ele gosta mais de Paul do que eu... Tenho a sensação engraçada de que ele gostaria que Paul fosse seu pai. Mas, infelizmente, ele me pegou... Deve ser difícil ser filho de alguém. Ele é um garoto brilhante e gosta de música. Não o encorajei, mas ele já tem uma banda na escola. Mas eles cantam músicas de rock e roll, porque o professor é da minha idade. Então ele ensina a eles "Long Tall Sally" e algumas coisas dos Beatles. Ele gosta de Barry White e de Gilbert O'Sullivan. Ele gosta de Queen, embora eu ainda não os tenha ouvido. Ele me excita com a música.

Como você se sente com as pessoas fazendo covers de todas aquelas músicas antigas dos Beatle?

Eu amo isso. Fiquei emocionado que Elton John estava fazendo isso. As pessoas têm medo da música dos Beatles. Eles ainda têm medo das minhas músicas. Porque eles tem aquela grande impressão: você não pode tocar uma música dos Beatles, ou uma música de Lennon; só Lennon pode fazer isso. E isso é uma besteira! Qualquer um pode fazer qualquer coisa.

Algumas pessoas no passado fizeram músicas dos Beatles. Mas, em geral, eles sentem que não podem tocar. E há tantos bons singles que os Beatles escreveram que nunca foram lançados. Por que as pessoas não fazem isso? É bom para mim; isso é bom para o Paul. É bom para todos nós. E Elton teria conseguido um número 1 sem mim; ele não precisava de mim. 

Você já conheceu Elvis?

Uma vez sim. É uma história interessante. Ficamos aterrorizados. Ele é nosso ídolo. Fomos encontrá-lo, os quatro neste dia. Entramos e ele estava sentado na frente de uma TV. Estávamos no meio de uma turnê, em 65 ou algo assim. Ele tinha essa TV, eu lembro; um amplificador e um baixo conectado a ela. 

Ele estava assistindo a TV sem som, tocando baixo e cantando, e estávamos meio que cantando junto. Mas nós paramos para assistir ele. Eu sempre pensei nisso do nosso ponto de vista; eu nunca pensei no dele. E anos depois, ouvi de um amigo, amigo da ex-esposa dele, que ele também estava aterrorizado: a) porque éramos a coisa nova e b) o que ia acontecer. E que ele estava há horas em preparação, pensando no que ia nos dizer. E nós o adoramos.

É uma história estranha ... eu lembro de estar sentado lá e ele tocando baixo. E eu pensando: "É o Elvis! É o Elvis!!". Ele parecia ótimo mas era um pouco tímido. Eu gostaria de vê-lo em Las Vegas, porque é onde ele deve se sentir em casa. Mas ficaria envergonhado se dissessem: 'John Lennon está na platéia.' Eu odeio isso. Estou morrendo de vontade de vê-lo.