Pulse

Por que John Lennon não se preocupou com a saída de George Harrison dos Beatles?

Durante a gravação do White Album, em 1968, os integrantes da banda viveram momentos bastante conturbados

Redação Publicado em 29/10/2019, às 09h44

None
John Lennon e Paul McCartney em 1965 (Foto: AP Images)

Durante a gravação do White Album, em 1968, os integrantes dos Beatles viveram momentos bastante conturbados.

Enquanto isso, George Harrison produzia alguns de seus maiores sucessos ("While My Gitar Gently Weeps" e "Long Long Long"), mas ainda tinha dificuldades para chamar a atenção de seus companheiros de banda.

Por fim, os Beatles não concluíram o disco duplo como haviam planejado, e George ficou completamente frustrado porque John Lennon não contribuiu com três das quatro músicas que ele havia feito ("Long, Long, Long", "Savoy Truffle" e "Piggies").

+++ Leia mais: Como Mick Jagger inspirou o nome do álbum Rubber Soul dos Beatles?

Nas sessões de Let It Be, em janeiro de 1969, a relação entre os dois continuaram instáveis. Segundo o documentário Let It Be, lançado em 1970, John estava sendo muito condescendente com George naquela época, optando por sair com Yoko Ono na estreia da faixa "I Me Mine".

Combinado com uma discussão com Paul McCartney, tal incidente levou George a se ausentar do grupo. Contudo, John não parecia nada preocupado com a situação, pois estava mais interessado na própria música (e na Yoko!)

+++ Leia mais: Como o filme Magical Mystery Tour se tornou o primeiro fracasso dos Beatles?

Em geral, John parecia cansado da ideia dos Beatles e pensou que a banda poderia continuar sem George. "Vamos chamar o Eric [Clapton]", disse ele. "Ele é tão bom e não trará tanta dor de cabeça."

Em 1968, George Harrison convocou Eric Clapton para o solo de "While My Guitar Gently Weeps", e todos gostaram da sessão. Além disso, durante as filmagens do musical The Rolling Stones Rock and Roll Circus, John trabalhou ao lado do guitarrista. Então, ele pensou que Clapton poderia substituir George sem nenhum problema, mas isso nunca aconteceu.

Em pouco tempo, George voltou para os Beatles e, no último disco do Fab Four, Let It Be (1970), compôs músicas tão boas que ninguém seria capaz de criticá-las - nem mesmo John Lennon.