Por que Nirvana não acreditava no sucesso de Nevermind? Dave Grohl responde

'Parecia totalmente implausível que algum dia chegaríamos perto desse tipo de sucesso,' afirmou Dave Grohl

Itaici Brunetti Publicado em 15/06/2021, às 12h55

None
Kurt Cobain, Krist Novoselic, Dave Grohl (Foto: Mark Seliger / Rolling Stone)

Nevermind, do Nirvana, foi lançado em setembro de 1991 e não mudou somente a vida de Kurt Cobain, Dave Grohl e Krist Novoselic, mas alterou o rumo da história da música ditando caminho para a década de 1990 e das posteriores. No entanto, a banda tinha baixas expectativas quanto ao potencial do álbum. 

"Parecia totalmente implausível que algum dia chegaríamos perto desse tipo de sucesso," afirmou Dave Grohl em recente entrevista à Uncut. O líder do Foo Fighters e ex-baterista do Nirvana ainda relembrou que os amigos que ouviram o disco antes do lançamento diziam: "Vocês vão ser grandes para c*ralho." 

+++LEIA MAIS: Ex-integrantes do Nirvana gravaram novas músicas ‘muito legais’, revela Dave Grohl

"Donita Sparks, do L7, veio até mim e disse que iriamos ser enormes. Meu velho amigo Barrett Jones, com quem cresci na Virgínia, que era músico e produtor, ouviu 'Lithium' e disse que seríamos enormes. Ele achava que 'Lithium' deveria ser o primeiro single," continuou. 

Para Dave Grohl, as opiniões dos amigos sobre Neverminderam elevadas e exageradas demais. O músico pensava: "Bem, é legal da sua parte dizer isso, mas não há nenhuma chance de isso acontecer. Wilson Phillips, Mariah Carey e a p*rra do Bon Jovi eram populares na época. Não eram bandas como a gente."

+++LEIA MAIS: Como foi a última ligação entre Kurt Cobain e Pat Smear, do Nirvana?

Nevermindchegou às lojas em 24 de setembro de 1991, embalado pelo single "Smells Like Teen Spirit", e de cara conquistou a geração vestida de blusas de flanelas, tênis All Star e jeans rasgados antes de alcançar o mainstream e ocupar a 1ª posição da Billboard 200, desbancando Dangerous, de Michael Jackson

"Mas, você sabe, tudo soava ótimo: o som da bateria, a produção de Butch Vig. A banda era unida e as músicas de Kurt eram ótimas para c*ralho. Fazíamos uma ou duas tomadas, talvez um overdub aqui e ali, Kurt entrava e fazia o vocal e era cristalino e tão poderoso, melódico e lindo que dá orgulho. Estávamos definitivamente orgulhosos do disco," concluiu Dave Grohl

As informações são da NME


+++ URIAS | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL