Por que o MTV Unplugged do Nirvana é tão popular?

Há 27 anos, a apresentação histórica da banda foi exibida na televisão

Julia Harumi Morita | @the_harumi Publicado em 16/12/2020, às 11h32

None
Kurt Cobain à frente do Nirvana em cena do MTV Unplugged (Foto: Divulgação / MTV)

No dia 16 de dezembro de 1993, o MTV Unpluggedexibiu a apresentação acústica do Nirvanagravada em Nova York, um show que ficaria marcado na história e, após 27 anos, ainda estaria entre as edições mais populares do programa. 

Mas por que essa apresentação é tão popular? Bom, existem diversos fatores que diferenciam o show do Nirvana das performances de outros astros do rock no programa, desde o setlist e os ensaios até o cenário e a gravação.

+++ LEIA MAIS: Icônica apresentação do Pearl Jam no MTV Unplugged agora está disponível

Ao contrário de músicos como Paul McCartney, Eric Clapton e Rod Stewart, o Nirvana não queria se tornar um sucesso comercial e não tentou usar o MTV Unplugged para promover o recém-lançado disco In Utero.

Kurt Cobain,  David Grohl e Krist Novoselic contrariaram as expectativas da produção e do público ao não incluírem os hits “Smells Like Teen Spirit” e “In Bloom” no setlist, segundo informações da Rolling Stone EUA e o site oficial do Grammy. Vale enfatizar que essa escolha não foi feita apenas para contrariar a indústria, por que os músicos sabiam que algumas composições não poderiam ser adaptadas para uma versão acústica. 

+++ LEIA MAIS: Os bastidores do show clássico do Oasis no MTV Unplugged: ausência de Liam, set icônico e mais

O setlist do Nirvana ainda surpreendeu pelo número de covers. Das 14 músicas apresentadas, seis eram de outros artistas, sendo “The Man Who Sold The World”, do David Bowie, a mais conhecida. Além de fazerem versões de canções do Vaselines e Leadbelly, a banda tocou músicas do Meat Puppet, que também foi convidada pela banda para fazer uma participação no show - outra decepção para aqueles que esperavam parcerias com grandes nomes do rock.

Outro fato marcante da edição do programa foi o ensaio da banda. Como o Nirvananunca tinha feito um show acústico antes, segundo a Rolling Stone EUA, os músicos tiveram  dificuldades em criar novas versões sem equipamentos elétricos, o que fez Cobain pensar na possibilidade de deixar Grohl de fora do show, de acordo com o Loudwire

+++ LEIA MAIS: MTV Unplugged: os 15 melhores shows acústicos da série norte-americana

Por fim, Cobain ajudou a montar o cenário e pediu para a produção colocar velas pretas, flores brancas, cortinas e um lustre no estúdio para dar um tom mais sombrio para o ambiente, segundo o site do Grammy.  

Apesar das dificuldades, a apresentação do Nirvana foi uma das poucas edições que não precisou de regravações, de acordo com a produtora executiva Alex Coletti. Assim, a edição entrou para o grupo de episódios que não precisaram fazer vários takes, o qual contava apenas com Live (1995)  e Crosby, Stills e Nash (1990).

+++ LEIA MAIS: Os 11 melhores Acústicos MTV nacionais de todos os tempos: De Charlie Brown a Gilberto Gil

Junto com a performance brilhante da banda, o episódio também ficou marcado pela proximidade com a morte de Cobain, que tirou a própria vida no dia 5 de abril de 1994,  e levantou muitas questões entre os fãs: Esta apresentação foi planejada pelo vocalista? A decoração era algum tipo de aviso?

Entre diversas hipóteses, o que sabemos é que o show se tornou praticamente um patrimônio do rock e até mesmo o cardigã e o violão usado por Cobain no show se tornou um artigo de desejo dos colecionadores. 

Quase três décadas após a exibição do MTV Unplugged do Nirvana, o episódio ainda é uma das edições mais icônicas do programa e, talvez, seja por causa do ar de mistério presente na performance ou da genialidade da banda ao levar o grunge para o acústico ou simplesmente por ser um dos últimos registros de Cobain, que, como os outros integrantes do clube dos 27, nos deixou cedo demais.

+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes


+++ PÉRICLES: 'QUEREMOS FAZER O NOSSO SOM, MOSTRAR NOSSA VERDADE E LUTAR POR IGUALDADE' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL