Por que o Pink Floyd ignorou a contribuição do Paul McCartney para o disco ‘Dark Side of the Moon’?

Apesar do ex-beatle ter sido convidado para participar de uma sessão de estúdio do disco, a banda optou por não usar a contribuição do músico

Redação Publicado em 28/02/2020, às 09h12

None
Montagem com a capa do disco Dark Side of the Moon, do Pink Floyd, e Paul McCartney (Foto 1: Reprodução / Foto 2: AP)

Paul McCartney quase participou do icônico disco The Dark Side of the Moon, porém, os integrantes do Pink Floyd decidiram não usar a contribuição do ex-beatle durante as gravações do álbum.

Três anos após o fim dos Beatles, o baixista do lendário quarteto já havia lançado três discos: McCartney, em 1970; Ram, ao lado de Linda McCartney, e Wild Life, com o grupo Wings, em 1971.

+++ LEIA MAIS:  Como The Dark Side of the Moon vendeu mais do que qualquer disco dos Beatles ou Led Zeppelin?

E, coincidentemente, o músico trabalhou nas composições do disco Red Rose Speedway  no mesmo período em que Roger Waters, David Gilmour, Nick Mason, Richard Wright gravaram TheDark Side of the Moon, no histórico estúdio Abbey Road, em 1972.

Segundo o site Showbiz CheatSheet, os integrantes da banda pediram para diversas pessoas presentes no estúdio responderem uma série de questões para gravarem algumas respostas e colocarem no disco.

O questionário era composto por perguntas simples, como "Qual sua cor favorita?", e questões mais profundas, como "Quando foi a última vez que você foi violento?" ou "A morte te amedronta?".

+++ LEIA MAIS:  Roger Waters escolhe as 8 melhores músicas de todos os tempos; de Neil Young a Leonard Cohen [LISTA]

Porém, o ex-beatle não conseguiu entender o espírito do jogo. Em entrevista ao biógrafo John Harris, Waters revelou que McCartney foi deixado de fora do disco porque tentou ser engraçado, o que, definitivamente, não era o objetivo da banda.

"Ele era a única pessoa que achou necessário fazer uma performance, o que foi inútil, claro [...] eu pensei que foi realmente interessante que ele fez aquilo", disse o baixista e vocalista do Pink Floyd


+++ TITÃS CELEBRA O ACÚSTICO, MAS SE MANTÉM ELÉTRICO - E É ATRAÇÃO DA MUSIC & RUN