Por que os Beatles foram acusados de comunistas?

Há décadas o icônico quarteto é apontado como uma invenção socialista afim de destruir a moralidade e o capitalismo

Redação Publicado em 12/12/2019, às 12h04

None
Beatles (foto: AP)

Não é de hoje que existem rumores de que algumas bandas como os Beatles e o Elvis Presley conspiraram por décadas, ao lado da União Soviética, para tentar destruir a moralidade e o capitalismo.

Em 1966, por exemplo, um DJ do Alabama decidiu que era hora de "banir os Beatles" pelos comentários que os integrantes do quarteto faziam.

A fala de John Lennon  - "o Fab Four é mais popular que Jesus" - fez com que o público cristão e conservador do DJ se revoltasse, e resultou em algumas músicas do grupo proibidas em várias estações de rádio dos Estados Unidos. 

Embora Lennon tendo acalmado um pouco as coisas em coletiva de imprensa, a hostilidade (e ameaças de morte) ainda chegavam à banda - que fez uma turnê pela América na época.

+++LEIA MAIS: Quais foram as últimas palavras de George Harrison a Paul McCartney, Ringo Starr e Olivia Harrison?

Antes mesmo de Paul McCartney admitir que tomava LSD e os Beatles meditavam, o conservador John Birch Society já havia apontado essas influências. Quando eles gravaram o The White Album, em 1968, que inclui a "Back in the URSSR", alguns acusaram a banda de simpatizarem com os comunistas. 

+++ LEIA MAIS: Por que Paul McCartney não usava drogas como os outros integrantes dos Beatles? 

Os críticos ficaram "sem palavras" depois de ouvirem a letra de "URSS" de McCartney. O músico escreveu a faixa enquanto a banda estava na Índia meditando com um grupo que incluía Mia Farrow e Mike Love, do Beach Boys. 

McCartney compos a faixa como uma paródia de "Back in the USA", de Chuck Berry, com um toque dos Beach Boys. 

+++ Deputado se revolta com Jesus gay em especial de Natal da Netflix: "Chacota à fé"

Mas, em vez de falar sobre a alegria de Berry em retornar do exército, McCartney escreveu como um espião que havia retornado à União Soviética depois de passar muito tempo distante. Algumas pessoas acharam que ele estava falando sério quando cantou "Venha e mantenha, camarada [termo de forte conotação política entre militantes de um único partido] quente". 

+++ LEIA MAIS: "Ob-La-Di, Ob-La-Da", dos Beatles, é a música pop mais próxima da perfeição; entenda

David Noebel foi um deles. Autor de Os Menestréis Marxistas — Manual Sobre a Subversão Comunista da Música, ele afirmou que "John Lennon e The Beatles eram parte integrante do ambiente revolucionário e receberam notas altas da imprensa comunista". 

Após ter afirmado que a imprensa comunista amava os Beatles, Noebel discutiu sobre o impacto disso sobre os americanos amantes da liberdade. Milhões de fãs, no entanto, levaram a letra exatamente pelo que ela era: uma música de rock com algumas boas piadas. 

Mesmo décadas depois, o novo presidente da Funarte, Dante Mantovani, declarou recentemente que os Beatles foram invenção socialista para fazer garotas abortarem, e que a motivação do grupo era era desestabilizar a "família tradicional americana" e acabar com o ocidente. 

+++ SCALENE SOBRE RESPIRO: 'UM PASSO PARA TRÁS, RESPIRAR E VER AS COISAS DE UMA FORMA NOVA'