Por que a saída de Johnny Depp pode ser ótimo para Piratas do Caribe - e a culpa é de Jack Sparrow [ANÁLISE]

Novos rumos da franquia podem salvar universo dos piratas da dependência de um personagem problemático

Larissa Catharine Oliveira | @whosanniecarol Publicado em 27/08/2020, às 07h00

None
Johnny Depp como Jack Sparrow (Foto: Reprodução)

Piratas do Caribe pode seguir em frente sem Johnny Depp, como indicam rumores da indústria cinematográfica sobre o reboot da franquia. Apesar do último filme da saga, A Vingança de Salazar (2017), ter sido lançado após o divórcio conturbado do ator com Amber Heard, que o acusou de violência doméstica, a Disney não parece disposta a contratá-lo com o novo processo envolvendo o ex-casal. Provavelmente, a escolha seja a melhor - e a culpa é de Jack Sparrow

Independentemente da opinião sobre a veracidade das acusações feitas por Amber, grande parte do público não consegue imaginar Piratas do Caribe sem a presença do personagem de Depp. Quando os rumores sobre um novo filme sem o ator ganharam força, as redes sociais foram inundadas por comentários contrários à possibilidade. 

+++ LEIA MAIS: Caso Amber Heard e Johnny Depp: tudo o que se sabe sobre o processo até agora

 

Segundo o site The Hollywood Reporter, a Disney pretende fazer o novo filme com Margot Robbie como protagonista, mas poderia envolver Depp na trama de alguma forma caso “as polêmicas acabem” - algo improvável com os processos de difamação movidos pelo ator contra o jornal The Sun e a ex. 

Essa mudança radical e impopular pode significar um novo horizonte para os Piratas. Ao longo de cinco filmes, o roteiro se tornou “enfadonho, repetitivo, extenuante”, nas palavras da Rolling Stone EUA. Quanto mais do mesmo - especialmente em tempos tão diferentes - o público pode suportar?

+++ LEIA MAIS: Acredite se quiser: Fãs criam petição para a demissão de Amber Heard de Aquaman 2

Origens do sucesso 

Os filmes foram inspirados por uma atração dos parques da Disney. Inaugurado em 18 de março de 1967, é um dos mais populares dos parques e estava entre os favoritos do próprio Walt Disney. No percurso, o público viaja em pequenos barcos para conhecer a ação de piratas na região do Caribe, por volta do século 17. Após o sucesso dos filmes, a atração reproduz os cenários e personagens dos cinemas. 

Machismo

Além dos comentários sexistas de Sparrow, existe um problema mais profundo nas origens do personagem. Uma parte da atração da Disney original mostrava mulheres traficadas à venda em um “leilão de noivas”. “Aqui os navegantes estão leiloando as belezuras da cidade”, explicou Walt Disney ao demonstrar o projeto. O trecho apenas retirado da atração em 2017, de acordo com o NPR, e foi substituído por uma mulher pirata. A cena original ainda é reproduzida em algumas unidades, como no parque de Paris. 

+++ LEIA MAIS: Johnny Depp entra no Instagram e ganha mais de 2 milhões de seguidores em duas horas: ‘Faça o que puder para iluminar o dia de alguém’

Nada disso teria alguma relação com Jack Sparrow, mas um curta-metragem oficial da franquia encenou o leilão de noivas e explicou a relação do capitão do Pérola Negra com duas mulheres prostituídas em Tortuga. Na prequel Tales of the Code (2011), incluída em uma versão comemorativa de DVDs, Scarlett e Giselle se arrumam para casar com Sparrow, mas logo descobrem a enganação. Ambas foram traficadas e leiloadas para piratas assustadores.. No final do curta, a ruiva mostra que sabotou o barco do pirata, e por isso Sparrow naufraga quando entra em cena no primeiro filme. Sim, Jack Sparrow traficou mulheres. Existe uma grande diferença entre a moral egoísta do personagem com a participação efetiva em um crime hediondo, algo inaceitável na cultura atual. 

Personagens femininos

O mundo era um lugar diferente quando os primeiros filmes foram lançados e a figura de Sparrow se estabeleceu como grande protagonista, apesar de ter sido concebido como um coadjuvante. Antes do movimento Me Too e de uma onda de conscientização virtual, essas temáticas não seriam amplamente discutidas. Apesar da justificativa histórica, ter um protagonista com constantes piadas machistas e um passado obscuro está na contramão nas recentes tendências na indústria, cada vez mais inclusivas. 

+++ LEIA MAIS: Keith Richards e Johnny Depp: irmãos de sangue

As personagens femininas em Piratas do Caribe merecem mais. Todas apresentadas até o momento na franquia foram completamente subdesenvolvidas. Desde Elizabeth Swann, muitas vezes mais destemida que qualquer pirata, até a inteligentíssima Carina Smyth, mesmo as figuras femininas com maior tempo em tela não receberam uma chance digna de desenvolvimento. Um novo filme com uma protagonista feminina segue a tendência abraçada por franquias como Caça-Fantasmas, Oito Mulheres e um Segredo e Thor, da Marvel.

Dependência

É verdade que o personagem carismático e emblemático merece créditos pelo sucesso dos filmes, mas a franquia concretizou os receios dos produtores durante as filmagens de O Baú da Morte (2006), segundo filme. "Não queremos apenas um filme do Jack Sparrow. Ele é a pimenta", comentou o diretor Gore Verbinski em entrevista ao IGN em 2007 (via Cinelinx). "Não vamos dar muito Jack [ao público]. É como ter sobremesa ou algo bom em excesso". 

A própria reação do público mostra a enorme dependência dos filmes com a figura central de Sparrow. Nenhum dos outros personagens principais, sejam vilões ou mocinhos, apareceram com tanta frequência e tempo de tela quanto ele.  Apesar disso, o personagem demonstrou pouco crescimento e fica preso em um ciclo de "mais do mesmo". 

+++ LEIA MAIS: Como Johnny Depp se livrou das tatuagens para Winona Ryder e Amber Heard?

Apesar do sucesso nas bilheterias até então, sempre superiores aos US$ 670 milhões do filme de estreia da franquia e duas vezes bilionária, em 2006 e 2011, a chegada de uma nova década marcada por grandes mudanças culturais exige transformações mais profundas para manter a saga interessante.

A saída de Depp pode salvar Piratas do Caribe da dependência do ator e dar vida própria ao universo criado pela franquia - e, quem sabe, garantir um futuro para os personagens já amados pelo público. 


+++ XAMÃ: MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO, DE NIRVANA A TUPAC