Por que Sombra e Ossos, novo hit da Netflix, quase não saiu do papel?

Eric Heisserer, roteirista da série, quase negou participar do projeto

Marina Sakai (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 11/05/2021, às 18h30

None
Sombra e Ossos (Foto: Reprodução/Divulgação)

Baseada nos livros do universo Grisha de Leigh Bardugo,Sombra de Ossos (2021) chegou à Netflix em abril de 2021 e atingiu o Top 10 em diversos países ao redor do mundo. No entanto, sem uma publicação nas redes sociais de Eric Heisserer,showrunner e produtor, a série nunca teria saído do papel.

No começo das negociações, há mais de quatro anos, Heisserer foi roteirista de A Chegada (2016), adaptação do conto de Ted Chiang, a qual o rendeu uma indicação ao Oscar. Em seguida, levou a história de Josh Malerman,Bird Box, para a Netflix.

+++LEIA MAIS: 6 motivos para maratonar Sombra e Ossos, nova série de fantasia da Netflix [LISTA]

É possível imaginar: com todas as adaptações, Heisserer estava sempre investigando livros diferentes para o trabalho, histórias para transformar em produções audiovisuais. Então, decidiu voltar a “ler por prazer,” como disse à Variety.

Aventurou-se com Six of Crows: Sangue e mentiras (2015), outro romance de Leigh Bardugo, no mesmo universo da trilogia Grisha de onde vem Sombra e Ossos. “Devorei-o. Me apaixonei completamente pelo mundo, personagens e o clima de tudo.”

+++LEIA MAIS: Por que Alina perdoou Genya em Sombra e Ossos?

Heisserer publicou no Twitter alguns elogios à autora — e esqueceu do ato logo depois, mas continuou lendo os livros. Um ano mais tarde, recebeu uma ligação da Netflix: Bardugo o queria para escrever o roteiro da série. 

“Deixei claro como não faria nada se não tivesse também o Six of Crows e aqueles personagens. Não via uma série sem ambos.” A Netflix comprou os direitos para os livros e, apenas então, Heisserer concordou em trabalhar na série.

+++LEIA MAIS: Por que está tudo bem gostar do Darkling, de Sombra e Ossos?


+++ MV BILL: 'A GENTE TEM A PIOR POLÍTICA DE GOVERNO PARA O PIOR MOMENTO' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL