Presidiárias entram no mundo fashion

Trinta detentas fundam grife Daspre, que abre seu bazar em loja paulistana

Da redação Publicado em 08/12/2008, às 14h58

A Fundação do Amparo ao Preso (Funap) lança nesta segunda-feira, 8, em um bazar na cidade de São Paulo a primeira grife da marca Daspre, desenhada por trinta presidiárias. A marca conta com bolsas e sandálias, além de caixas artesanais.

O lançamento acontece na loja Do Lado de Lá, que fica na Rua Dr. Vila Nova, que fica na região da Santa Cecília, no centro paulistano. O nome Daspre é uma brincadeira com a Daspu, marca de roupas carioca fundada por prostitutas. Ambos os nomes são referência à Daslu, loja freqüentada pela alta sociedade de São Paulo.

De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, o governo paulistano gastou R$ 100 mil para fazer o projeto funcionar, além de hoje ter um gasto mensal de R$ 20 mil para manter o programa em funcionamento.

Pela produção, cada presidiária ganha R$ 315 (menos que um salário mínimo), além de benefícios. As mulheres poderão retirar o dinheiro de uma poupança especial onde ele está guardado assim que terminarem de cumprir suas penas.