Produtor dos Beatles, George Martin morre aos 90 anos

“Muito obrigado por todo seu amor e bondade”, escreveu Ringo Starr no Twitter, ao dar a notícia

Rolling Stone EUA Publicado em 09/03/2016, às 10h16 - Atualizado às 10h37

George Martin, lendário produtor dos Beatles
Barry Batchelor/AP

George Martin, homem que produziu a maioria do catálogo clássico dos Beatles, morreu aos 90 anos de idade. A causa ainda não foi divulgada publicamente.

Ex-baterista dos Beatles, Ringo Starr deu a notícia no Twitter. “Deus abençoe George Martin”, escreveu ele, na noite da última terça, 8. “Paz e amor a Judy e sua família, amor Ringo e Barbara. Sentiremos falta de George”. Em outra publicação, acompanhada de uma foto de Martin com os Beatles, Starr escreveu: “Muito obrigado por todo seu amor e bondade.”

Horas depois, o outro integrante remanescente dos Beatles, Paul McCartney, foi ao Twitter e publicou um comunicado sobre a morte de George. “O mundo perdeu um homem verdadeiramente grande”, escreveu o baixista e vocalista.

Ao longo das décadas, as pessoas muitas foram chamadas de “o quinto Beatle”. Mas a única pessoa que pode definitivamente pegar esse título é Martin. O produtor não apenas assinou o primeiro contrato de gravadora dos Beatles em 1962, mas passou a trabalhar com ele extensivamente, participando de quase tudo que eles gravaram nos oito anos seguintes – de “Love Me Do” ao fim com Abbey Road.

“George Martin nos fez ser o que éramos no estúdio”, disse John Lennon em 1971. “Ele nos ajudou a desenvolver uma linguagem para se comunicar com outros músicos.”

Nascido em janeiro de 1926, em Highbury (Londres, Inglaterra), Martin começou a tocar piano quando jovem e, depois de se juntar ao exército e trabalhar no departamento de música clássica da BBC, mudou-se para a gravadora EMI.

Ele encontrou os Beatles em 1962. Na época, eles eram cultuados em partes da Inglaterra, mas pouco sucesso em conseguir um contrato para gravar. O empresário do quarteto, Brian Epstein, abordou o produtor, então na EMI, e fez ele concordar em escutar uma fita demo do grupo.

Martin e os Beatles trabalharam juntos em Please Please Me (1963), (1964), Help! (1965), e Rubber Soul (1965), Revolver (1966), Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band e Magical Mystery Tour (1967), Yellow Submarine (1968), The Beatles (o White Album de 1968) e Abbey Road (1969).

Comandado por Phil Spector, Let it Be (1970), gravado antes, mas lançado um ano depois de Abbey Road, foi o único álbum dos Beatles não produzido por Martin.

Nos anos seguintes, ele continuou a trabalhar nos projetos solo de ex-Beatles, incluindo o hit “Live and Let Die”, de Paul McCartney, e os discos dele do começo dos anos 1980: Tug of War, Pipes of Peace e Give My Regards to Broad Street. De Starr, ele produziu o álbum Sentimental Journey, de 1970.

O nome de Martin será sempre ligado aos Beatles, mas ele também produziu discos de Gerry and the Pacemakers, Kenny Rogers, Cheap Trick, Jeff Beck e Celine Dion, entre outros. Seu trabalho inclui a “nova” versão de “Candle in the Wind”, de Elton John, feita parar honrar a Princesa Diana. A canção foi um dos singles mais vendidos de todos os tempos.

A produção de Martin começou a diminuir consideravelmente na segunda metade dos anos 1990, conforme a audição dele ia se deteriorando. A esta altura, ele começou a ter assistência do filho, Giles Martin (junto a ele na foto abaixo). Eles trabalharam juntos no projeto Love, mixando músicas dos Beatles e deixando-as novas.

Em 2011, Martin falou sobre a relação dele com os Beatles . “Acho que eles eram tão bons que estarão conosco com gerações, ao longo do próximo século”, disse ele. “Eles eram grandes músicos e grandes compositores, como Gershwin ou Rodgers e Hammerstein. Eles estão na história e os Beatles estão na história também. Eles estarão lá em 100 anos também. Mas eu não.”