Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Quais foram os maiores erros cometidos pelos filmes da DC Comics?

Algumas produções, como 'Liga da Justiça' e 'Esquadrão Suicida' tiveram grandes problemas por trás das câmeras

Redação Publicado em 27/09/2019, às 08h51

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Liga da Justiça no filme de 2017 (Foto: Divulgação)
Liga da Justiça no filme de 2017 (Foto: Divulgação)

Por que é tão difícil para a DC acertar nas adaptações de seus filmes no cinema? A editora já teve diversos problemas de bastidores e até interferências da Warner Bros. em suas próprias produções.

Apesar dos problemas, atualmente o DCEU (Universo Estendido DC, na sigla em inglês) lançou filmes elogiados pela crítica, como Mulher-Maravilha e Batman vs Superman

Mesmo assim, o passado não é algo que se esquece e os próprios integrantes de gravações da DC revelaram alguns erros da empresa.

+++LEIA MAIS: 7 equipes de heróis da DC que dariam uma surra nos Vingadores [LISTA]

Conexão com o público

Henry Cavill, ator do Superman, revelou que o DCEU não conseguiu se conectar ao público inicialmente. Segundo Cavill, a produção de Mulher-Maravilha foi a primeira em que a conexão com os espectadores deu certo.

+++LEIA MAIS: Capitã Marvel ou Mulher-Maravilha: qual é a heroína mais poderosa dos quadrinhos?

Em entrevista para a Rake Magazine, o ator disse:  “Mesmo se a Marvel não existisse, teríamos dificuldade. Havia um estilo que a DC estava adotando, uma tentativa de olhar para as coisas de um jeito diferente. Não estava funcionando necessariamente. Sim, a DC ganhou dinheiro, mas não teve sucesso com crítica. Não deu ao público aquela sensação a qual os super-heróis deviam dar.”


Liga da Justiça

Os bastidores da Liga da Justiça, em 2017, também foram conturbados. Zack Snyder saiu da direção do longa, dando lugar a Joss Whedon. Com a mudança de diretor, os envolvidos na produção revelaram que o filme ficou totalmente diferente.

O resultado final do longa deixou uma sensação de que não deveria ter sido feito daquela forma. Um exemplo de indignação com as mudanças foi a fala do diretor de fotografia Fabian Wagner, que revelou ao Comic Book Debate: “É realmente complicado porque eu assisti [à nova versão] e acho que chorei o tempo todo. Não sei dizer exatamente o quanto mudou, mas muitas coisas ficaram diferentes.”

+++LEIA MAIS: Diretor de fotografia de Liga da Justiça chorou de decepção ao assistir versão final do filme


A DC não precisa ser sombria e realista

No começo, a DC decidiu não seguir a Marvel, e realizou produções mais sombrias e até realistas, totalmente diferente da concorrente. No entanto, a escolha não trouxe o retorno esperado pelos chefões da Warner Bros.

Segundo Geoff Johns, quadrinista, diretor de conteúdo e produtor de longas da DC, a empresa é mais do que apenas sombras e realismo. 

Em entrevista ao Wall Street Journal, Johns falou sobre o lado otimista dos filmes do DCEU: “Por engano, no passado, acho que o estúdio pensou que se os filmes da DC fossem todos sombrios, os tornaria diferentes. Mas não poderia estar mais errado. Há uma visão esperançosa e otimista da vida. Até o Batman pensa assim. Se ele não acreditasse que pode melhorar o futuro, ele se aposentaria.”

+++LEIA MAIS: Jonah Hill quer ganhar o dobro que o Batman de Robert Pattinson em novo filme, diz site


Algumas incoerências

Atualmente a DC consiste, principalmente, em filmes separados, sem muita conexão com fatos apresentados anteriormente ao público. 

A escolha pode ser percebida em algumas produções, como em Batman vs Superman, filme no qual a Mulher-Maravilha afirma ter abandonado a humanidade "há 100 anos."

A declaração é conflitante, se levarmos em consideração o filme Mulher-Maravilha 1984. No longa, a heroína interage com os humanos normalmente.

+++LEIA MAIS: Gal Gadot mostra novo uniforme de Mulher-Maravilha 1984

Sobre incoerências, a atriz Gal Gadot deu uma declaração, na coletiva de imprensa de Liga da Justiça, na China. Segundo ela, "às vezes, em um processo criativo, você estabelece algo que não é necessariamente uma decisão correta. Mas você pode sempre corrigir e alterar essa decisão.”


Jared Leto como Coringa

Esquadrão Suicida foi, provavelmente, um dos filmes com mais problemas no backstage. E um contratempo importante foi certamente a maneira a qual Jared Leto foi utilizado para representar o Coringa.

David Ayer, diretor do longa, já havia declarado que o filme não deveria ter sido feito daquela forma. E quando uma fã reclamou das tatuagens do Coringa, interpretado por Leto, Ayer assumiu ter exagerado.

+++LEIA MAIS: 5 Heróis da Marvel que o Coringa derrotaria [LISTA]

“Sim, eu preciso admitir quanto a isso. Foi um passo longe demais”, escreveu Ayer

Um novo filme do Esquadrão Suicida está sendo reformulado, dirigido por James Gunn. A produção tem a estreia prevista para 6 de agosto de 2021. Ele contará com alguns membros do elenco original, mas sem Leto.  

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!