Quais são as consequências do Demolidor se tornar um promotor nas HQs?

Criadores explorarão os efeitos da mudança de profissão de Matt Murdock, o Demolidor

Mariana Rodrigues (sob supervisão de Camilla Millan) Publicado em 19/04/2021, às 18h29

None
Demolidor (foto: reprodução/ Marvel Comics)

A decisão do escritor Charles Soule em transformar Matt Murdock de um advogado de defesa para um promotor, finalmente terá consequências na história do Demolidor. A mudança não foi bem vista por fãs e nem mesmo por alguns advogados, por considerarem uma traição ao que o personagem representa. As informações são do Screenrant.

Na HQ Demolidor #28, o personagem está cumprindo sentença de prisão de dois anos por confessar um assassinato de segundo grau. No entanto, ainda pode usar a máscara do herói para esconder a identidade. Pois, graças a uma nova lei, a justiça trata o Demolidor e Matt Murdock como pessoas diferentes.

+++ LEIA MAIS: Homem-Aranha 3: Por que o Demolidor é mais importante que Doutor Estranho?

Um dia, Neil Rivait, outro presidiário, senta para conversar com o Demolidor na hora almoço. No entanto, a atitude de Rivait não é bem vista pelos outros presos, que o atacam no chuveiro. Demolidor intervem para protegê-lo, mas, no dia seguinte, ele é encontrado morto na cela. A morte foi considerada suicídio, mas o herói se culpa pelo acontecimento e admite para a terapeuta "A culpa é minha... Eu o coloquei aqui."

A médica parece não entender, pois Rivait foi capturado pelo Homem-Aranha. Mas, Demolidor não se refere a prisão, e sim ao processo judicial pelo qual Rivait foi condenado por Matt Murdock. 

+++ LEIA MAIS: Elektra assume posto de Demolidor em nova HQ da Marvel

Rivait não era inocente, mas também não foi condenado à morte. Quando o Demolidor passou de advogado de defesa para promotor, basicamente deixou de defender os oprimidos para atacá-los. Agora, Murdock se sente culpado não só pela prisão de Rivait, mas também por se questionar quantas pessoas tiveram um final semelhante por culpa dele.

Normalmente, nos quadrinhos, os super-heróis não sofrem processos judiciais. Mas muitas questões éticas foram deixadas de lado quando Soule mudou a profissão do Demolidor. No entanto, a morte de Rivait com certeza não será esquecida tão cedo e pode até despertar em Murdock o ímpeto de voltar a trabalhar como defesa.

+++ LEIA MAIS: Até a Marvel admite que nome do Demolidor/Daredevil não faz sentido


+++ HAIKAISS | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL


+++ MAIS SOBRE ENTRETENIMENTO: 6 livros incríveis para ler em um dia: de Elena Ferrante a Tolstói

No começo de cada ano, um objetivo: ler mais livros. Responsabilidades e prioridades interferem no dia a dia e as histórias ficam para trás. No entanto, é possível consumir bons contos sem recorrer a Ulysses (1922), de James Joyce ou Guerra e Paz (1867), de Tolstói. Bons livros podem vir em pequenas doses, e serem aproveitados naquele fim de semana separado especialmente para isso.

Selecionamos uma lista de seis livros curtos, mas ótimos, do clássico ao contemporâneo para ler em um dia:

+++LEIA MAIS: Fantasia, horror e ficção científica: 13 livros que vão te conquistar

O Velho e o Mar - Ernest Hemingway (1952)

Depois de 84 dias sem pescar nada, o velho Santiago consegue fisgar um marlim gigante, o maior peixe que já viu. Passa três dias lutando contra o animal ao tentar trazê-lo para a praia, quer provar como ainda é um bom pescador, apesar da velha idade. 

Durante o embate entre ele e o peixe, um monólogo interior de Santiago começa. Junto dele, vêm as dores, machucados, dúvidas e dificuldades para domar o peixe. Quando finalmente consegue, outro obstáculo aparece no caminho.

+++LEIA MAIS: Dia Internacional da Mulher: 6 livros que contam a história de cantoras inspiradoras

O Velho e o Mar é um retrato do tempo do autor em Cuba e se tornou um clássico da literatura contemporânea. Após a publicação, Hemingway recebeu o prêmio Nobel de Literatura.


As Cidades Invisíveis - Ítalo Calvino (1972)

Inspirado por Shakespeare e Hemingway, Calvino traz uma mistura entre realidade e ficção. Esse livro de menos de 200 páginas é uma conversa entre duas figuras históricas: Marco Polo, viajante veneziano, e Kublai Khan, governante do Império Mongol do Século XI.

+++LEIA MAIS: Dia Nacional da Música Clássica: 8 livros que você precisa conhecer

Nessa rede de textos curtos, Marco Polo descreve diversas cidades do império do conquistador pelas quais teria passado. Calvino explora o conceito de cidade e aspectos como memória, símbolos, nomes e desejos. 

Não é uma narrativa histórica, é bastante ficcional, com anacronismos e reflexões filosóficas. É uma boa pedida para fãs da escrita de Calvino, a leitura parece a descrição de um sonho.

+++LEIA MAIS: De Florence Welch a Letrux: 6 cantoras que possuem livros de poesia [LISTA]


A Filha Perdida - Elena Ferrante (2006)

Autora da Tetralogia Napolitana, Elena Ferrante conquistou leitores ao redor do mundo com o retrato cru e comovente da Itália. Nesta história, Leda começa aliviada por poder passar as férias sozinha, longe das filhas e das responsabilidades da maternidade. 

Viaja ao litoral italiano e conhece Nina, mãe de Elena, quem, por sua vez, é mãe de uma boneca. Torna-se obcecada por elas. Angústias e segredos do passado começam a despertar.

+++LEIA MAIS: 5 livros para celebrar o aniversário de Kurt Cobain

A Filha Perdida fala de maternidade, amizade, disputa feminina e conflitos entre gerações, temas comuns na obra da autora. Para quem tem curiosidade de conhecer a escrita envolvente e cativante de Ferrante, mas não quer encarar a série de quatro livros, é a escolha perfeita.


A Morte de Ivan Ilitch - Liev Tolstoi (1886)

O livro começa no funeral de Ivan Ilitch. Não é spoiler, o título revela. Depois, ao longo da novela, voltamos para acompanhar sua vida e carreira de maneira cronológica. Juiz de vida abastada, descobre uma doença terminal na Rússia do Século XIX. A partir de então, passa a refletir sobre a existência. 

+++LEIA MAIS: Semana de Arte Moderna: 4 livros para quem deseja entender a manifestação artístico-cultural

Em menos de 100 páginas, o escritor criou uma história de partir o coração. É uma das obras mais famosas de Tolstói e uma boa alternativa para quem quer começar os autores russos por livros mais curtos e acessíveis.


O bem-amado - Dias Gomes (1962)

Para quem gosta de teatro, essa peça é para dar altas risadas. O Coronel Odorico Paraguaçu é prefeito de uma cidade pequenininha chamada Sucupira e a personificação caricata da política brasileira. 

+++LEIA MAIS: Biografias e histórias reais: 12 livros sobre grandes nomes da música brasileira

O objetivo de Odorico para ajudar na campanha política é inaugurar um cemitério. No entanto, um problema: precisa providenciar um morto em um vilarejo onde ninguém morre. Ora cômico, ora patético, O bem-amado é, acima de tudo, atual.


A Vegetariana - Han Kang (2007)

Dona de casa e mulher completamente banal, Yeonghye decide parar de comer carne abruptamente depois de um sonho. Então, começa a se distanciar da família — cujos poros, segundo ela, cheiravam a carne —, da sociedade e da própria humanidade. Tudo isso acontece em Seul, coração da cultura coreana e sua culinária muito baseada em produtos animais.

+++LEIA MAIS: Clássicos da literatura: 20 livros que você precisa conhecer

A narrativa de Han Kang é dividida em três partes, cada uma com um narrador diferente, mas nunca a protagonista, mostra apenas como os outros a enxergam. É um livro inusitado, chocante e provocará pensamentos até muito tempo depois do término.