Quais são as consequências do Japão lançar água de Fukushima no oceano?

Segundo o governo japonês, a água radioativa será tratada antes de liberada no mar

Redação Publicado em 14/04/2021, às 15h21

None
Tanques com água contaminada da usina de Fukushima (Foto: Christopher Furlong/Getty Images)

Na terça, 13 de abril, o Japão aprovou um plano para despejar no mar água contaminada da usina nuclear de Fukushima, destruída por um tsunami em 2011. Segundo a BBC, será mais de um milhão de toneladas da água lançadas ao oceano - e diversas nações, como China e Coreia do Sul não aprovam o projeto.

De acordo com o Japão, a água será tratada para os níveis de radiação não serem prejudiciais ao oceano. Contudo, diversos grupos ambientalistas não aprovam a decisão, assim como moradores da região e a própria indústria pesqueira do país.

+++LEIA MAIS: Chernobyl: Rússia vai produzir filme para culpar os EUA pelo desastre nuclear

Desde 2011, quando reatores nucleares - e sistemas de resfriamento - da usina de Fukushima foram danificados, a água contaminada serviu para resfriar o combustível nuclear. No entanto, segundo a BBC, a operadora da usina, Tokyo Electric Power Co (TepCo), está ficando sem espaço para armazenar a água - e até 2022, não haveria mais tanques para depositá-los,

Atualmente, o tratamento da água inclui a filtração da maioria dos elementos radioativos, mas alguns continuam presentes, como trítio. Dessa forma, a ingestão do material ainda pode ser perigosa, mas em pequenas quantidades não é prejudicial à saúde.

+++LEIA MAIS: Político vestido de Coringa se candidata a governador no Japão

Oposição e opinião dos cientistas

Apesar das afirmações do governo japonês, diversas entidades são contrárias ao plano de descarte da água. Segundo a ISTOÉ, o Greenpeace também indica a presença de outros elementos radioativos no material, como carbono-14. Em excesso, o isótopo radioativo poderia entrar na cadeia alimentar e danificar o DNA.

Por isso, defende-se que a água seja mantida armazenada até que o sistema de filtragem do material melhore. Os pescadores também afirmam que o projeto pode prejudicar a imagem dos produtos locais.

+++LEIA MAIS: 3 motivos para assistir (e 3 para não assistir) Seaspiracy, novo documentário da Netflix

Em entrevista à AFP. O diretor da associação sindical dos pescadores de Fukushima disse: “A mensagem do governo de que a água não é perigosa não chega ao público, esse é o grande problema. Nossos parceiros comerciais nos dizem que deixarão de vender nossos produtos. Nossos esforços para restaurar a indústria pesqueira na última década seriam frustrados”.

De acordo com os cientistas, há pouco perigo à saúde caso a diluição e volume da água sejam controlados: “Há um consenso entre os cientistas de que o impacto na saúde (de um derramamento de água triturada no mar) é minúsculo”, mas “não podemos dizer que o risco é zero, por isso é polêmico,” explicou Michiaki Kai, especialista em riscos de radiação.

+++LEIA MAIS: Explosão nuclear, geladeiras como bunker e refrigerante 'atômico': De Volta Para o Futuro quase foi completamente diferente

A Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA) também afirmou que apoia o plano japonês, e comparou o lançamento da água ao descarte de esgoto em outras usinas. Rafael Mariano Grossi, diretor-geral da AIEA, disse (via BBC): "O descarte no oceano é feito em outro lugar. Não é algo novo. Não há escândalo aqui."


+++ LAGUM | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL