Qual cena de Vingadores: Ultimato ainda é ‘forçada’ para o público?

O filme é a maior produção já feita pelo Universo Cinematográfico da Marvel (MCU)

Redação Publicado em 20/07/2020, às 17h20

None
Vingadores: Ultimato (Foto: Marvel / Reprodução)

Vingadores: Ultimato foi o maior filme já feito pelo Universo Cinematográfico da Marvel (MCU). O longa estreou em 2019 e foi elogiado por muitos. No entanto, uma cena da produção ainda divide o público, como relembra o CheatSheet.

A cena em questão é a junção das heroínas da Marvel para combater os inimigos. A representatividade de personagens mulheres nos filmes tem crescido, mas algumas pessoas não consideram 'orgânico' as cenas de interação entre elas.

+++LEIA MAIS: Teoria sugere que Thanos foi o segundo vilão da Marvel a reunir as Joias do Infinito

No Reddit, um perfil comentou: "Eu não gostei da cena, pois senti forçada. Em 'Guerra Infinita, quando Viúva e Okoye acabaram lutando, parecia orgânico. Essa caminhada de poder quando eles estavam indo para ajudar a Capitã Marvel (que acabou de derrubar a nave de Thanos) era chocante e era autoconsciente. Eu entendo o que eles estavam tentando realizar, mas me pareceu desajeitado".

Apesar de alguns usuários concordarem com a declaração, outros não foram a favor. Um outro perfil disse: "As pessoas só pensam que é forçado e apelativo porque são mulheres... se esse exato momento acontecesse com uma carga de heróis do sexo masculino, ninguém fecharia o olho. Foi um pequeno serviço de fãs sobre o A-Force (Força-V), assim como a maior parte do 'Ultimato' é serviço de fãs".

+++LEIA MAIS: Ator da Marvel fala sobre racismo com os filhos e chora: “Dura realidade”

Em entrevista ao New York Times, o roteirista Stephen McFeely defendeu a cena:  "Houve muita conversa. Isso é delicioso ou é apelativo? Demos voltas e voltas nisso. Por fim, gostamos demais".

O escritor Christopher Markus completou: "Parte da diversão dos filmes Vingadores sempre foi a formação de equipes".


+++ 15 HISTÓRIAS INACREDITÁVEIS (E REAIS) DE OZZY OSBOURNE