Qual era a verdadeira relação entre os Beach Boys e o serial killer Charles Manson?

Em 1969, os músicos lançaram canção que tinha conexão direta com o assassino

Redação Publicado em 03/03/2020, às 19h56

None
Charles Manson (Foto: AP) e os Beach Boys (Foto: Divulgação)

Ao ouvir as músicas dos Beach Boys, talvez não passe pela cabeça a ligação da banda com o serial killer Charles Manson, mas ela existe. "Never Learn Not to Love", lançada em 1969 pelo grupo, possui trechos compostos pelo assassino. 

+++LEIA MAIS:  Por que a cultura pop tem obsessão por serial killers? [ANÁLISE]

A relação entre os Beach Boys e Charles Manson começou em 1968, quando o Dennis Wilson, baterista da banda, deu carona para duas mulheres do grupo hippie - e assassino - de Manson. O músico, que tinha interesse em meditação transcendental, passou a conviver com o assassino, chamado por ele de "O Mago".

Segundo informações da Biography, Mike Love, co-fundador dos Beach Boys, detalhou a relação entre Wilson e Manson - uma ligação repleta de orgias, abuso de drogas, episódios violentos e um possível caso de amor do baterista pelo serial killer.

+++ LEIA MAIS: Brian Wilson pede boicote aos Beach Boys por show em evento de caça com Donald Trump Jr.

No final de 1968, Wilson gravou uma versão reformulada de "Cease to Exist", música escrita por Manson. O título foi modificado para "Never Learn Not to Love" e a autoria foi dada apenas ao baterista - motivo explicado pelo músico posteriormente. Segundo ele, o serial killer foi compensado com US$ 100.000.

No entanto, Charles Manson não se sentiu compensado, presenteando Wilson com uma bala, e uma ameaça, dizendo-lhe para examinar o objeto todos os dias e pensar sobre a sorte que ele tinha pelos filhos dele ainda estarem vivos. Depois disso, Wilson se afastou do grupo do serial killer, cortou contato com ele e deixou a propriedade de aluguel.

+++LEIA MAIS: Ator de Charles Manson diz que Tarantino cortou cena importante em de Era uma vez em... Hollywood; entenda

Pouco tempo depois, Manson foi preso pelo envolvimento em diversos crimes e sentenciado à prisão perpétua (após a pena de morte ter sido abolida no estado da califórnia, nos Estados Unidos). O serial killer morreu em 2017, aos 83 anos.


+++ KAROL CONKA NO DESAFIO 'MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO'