Qual música de John Lennon foi considerada ‘estranha demais’ para os Beatles e recusada até no disco com Yoko Ono?

Depois da viagem para a Índia, os integrantes estavam cheios de ideias - mas nem todas foram aceitas

Redação Publicado em 21/02/2020, às 14h24

None
Yoko Ono, John Lennon e Paul McCartney em 1968 (Foto: Peter Kemp / AP Photo)

No final dos anos 1960, os Beatles já não eram aquela banda romântica que cantava "Love Me Do" e "I Want to Hold Your Hand" para os apaixonados. De repente, eles passaram a ter cabelos e barbas compridas, escreviam músicas como "Strawberry Fields Forever" e não se apresentavam mais ao vivo.

Muitos motivos influenciaram essa mudança de pensamento - e as substâncias ilícitas, certamente, estavam no topo da lista. 

+++LEIA MAIS: Os Beatles quase fizeram filme de O Senhor dos Anéis em 1968 - John Lennon seria Gollum

Depois de Rubber Soul, o "disco da maconha", os Beatles fizeram Revolver com um tom ácido e Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band igualmente distante. No entanto, as drogas tinham um propósito. Totalmente comprometidos com o estúdio, eles queriam levar a música o mais longe possível.

Após uma viagem à Índia, no início de 1968, a banda retornou a Inglaterra com dezenas de ideias para o que posteriormente seria o White Album

+++LEIA MAIS: Qual foi a última música que John Lennon e Paul McCartney fizeram para os Beatles?

Nele, há muitas músicas "malucas", começando com "Wild Honey Pie", de Paul McCartney, “Why Don’t We Do It in the Road?”, de PaulRingo Starr, "While My Guitar Gently Weeps", de George Harrison, e a altamente experimental "Revolution 9", de John Lennon. Ainda assim, há uma composição de John considerada "estranha demais" para os Beatles.

"What's The New Mary Jane" apresenta Lennon no piano e nos vocais, George na guitarra e Yoko nos efeitos especiais. A faixa parece bem inocente, mas, de alguma forma, criou desconforto entre os colegas de banda, que não a colocaram no disco. Talvez as letras sem sentido e o arranjo nu assustassem Paul e os outros.

+++ LEIA MAIS: Por que a turnê dos Beatles de 1966 foi a última?

Quando John levou “I Am the Walrus” para o estúdio em 1967, o produtor George Martin ficou exasperado e incomodado com a letra. Com "What's the New Mary Jane", Martin deve ter ficado completamente perplexo. As letras do vocalista faziam com que as frases de "I Am the Walrus" parecessem lúcidas.

"Ela parece uma rainha africana
Ela come doze chapattis e creme
Ela tem gosto de cordeiro mongol
Ela vem de fora do Bahran
Que pena que Mary Jane teve uma dor na festa"

Depois, John remixou a música novamente e planejou lançá-la como um single (desta vez, com a Plastic Ono Band). Embora ele tenha quase chegado lá, seus colegas de banda e outras forças da gravadora acabaram com as esperanças dele.

+++ LEIA MAIS: De onde vem a história de que Paul McCartney morreu em 1966 e foi substituído nos Beatles? 


+++ SESSION ROLLING STONE: RUBEL TOCA MANTRA