Qual música do Led Zeppelin mostrou Jimmy Page como um “guitarrista pavão”?

Entre talentos e riffs, algumas músicas, como 'The Rover', eram pura exibição

Redação Publicado em 05/02/2020, às 15h06

None
Jimmy Page em 1977, durante apresentação do Led Zeppelin no festival Day on the Green, em Oakland, Califórnia (Foto: Michael Zagaris Photography LLC e Reel Art Press)

É difícil negar a ideia de que Jimmy Page foi um dos melhores guitarristas da história da música. Na carreira com o Led Zeppelin, entregou clássicos como “Stairway to Heaven”, “Ten Years Gone” e diversos, incontáveis outros. 

Mas, para ver o ápice das habilidades de guitarra de Page, você provavelmente deve pular os primeiros álbuns e ir direto para Physical Graffiti, de 1975. Mais precisamente, o lado A do disco 1. 

+++ LEIA MAIS: Robert Plant se arrepende de letras do Led Zeppelin: ‘Minha geração estava cantando sobre críticas sociais’

Começando por “Custard Pie”. A primeira faixa do disco é alucinada, e a guitarra de Page abre o álbum com boas doses do rock. A terceira e última música do lado A, “In My Time of Dying”, também não desaponta. Slides e riffs na montanha russa dos 11 minutos da música marcam bastante o estilo dos próximos três lados daquela coleção.

Mas a maior exibição das cordas não é nenhuma dessas, e sim aparece entre elas: “The Rover”, para Jimmy Page, é “atitude de um guitarrista pavão”: exibido, maravilhoso, contagiante e empolgante. Uma música que, embora seja iniciada pela bateria, baseia-se completamente na guitarra.

+++ LEIA MAIS: Como uma música de bebedeira de John Bonham se tornou um clássico do disco Led Zeppelin III?

“O segredo de ‘The Rover’ é todo a vaidade e orgulho que tem nela, toda a atitude de um guitarrista pavão,” explicou Page para a Rolling Stone EUAem 2015. “Tenho medo de dizer, mas é aquele tipo de coisa tão aparente quando você ouve ‘Rumble’ de Link Wray [facilmente outro dos maiores guitarristas da história]. Simplesmente atitude, sabe?”

Mas Jimmy Page não consegue evitar todo esse exibicionismo: “Isso provavelmente está no meu DNA, para ser sincero.” Talvez, de fato, estivesse, pelo que o Led Zeppelin significou para a música.

 +++ MELHORES DISCOS BRASILEIROS DE 2019 (PARTE 2), SEGUNDO A ROLLING STONE BRASIL