Qualidade do som prejudica a apresentação do Agridoce no Rec-Beat

A cantora Pitty teve sua voz ofuscada pela das fãs por quase todo o show na última segunda, 20

Bruno Raphael, de Recife Publicado em 21/02/2012, às 12h33 - Atualizado às 20h02

Agridoce - Rec-Beat
Fernando da Hora/Prefeitura do Recife

O Rec-Beat não parece ter sido o melhor lugar para um show do Agridoce, conforme mostrou a apresentação da dupla folk na última segunda, 20. Formado pelo violonista e guitarrista Martin e pela cantora Pitty, o Agridoce assume que tem influência de nomes como Elliott Smith e Nick Drake no seu trabalho, mas o que se vê ao vivo e no disco homônimo, lançado em 2011, é uma sonoridade muito mais parecida com a de cantores como Tiê e Thiago Pethit.

Com atraso de 20 minutos, Pitty e Martin subiram ao palco às 22h20. Abriram com "Upside Down", cujo piano mal foi ouvido devido ao som baixo e aos gritos ensurdecedores das fãs adolescentes de Pitty, que pediam a ela desesperadamente que olhasse para a plateia. Após a resposta negativa, algumas meninas choravam e outras, curiosamente, chegavam a xingar ela. Enquanto isso, Pitty reclamava com o engenheiro de som antes de "B. Day".

O repertório do Agridoce se baseou exclusivamente em baladas, durante toda a sua apresentação. Em dados momentos, flores passaram pelo telão do Rec-Beat, reforçando ainda mais o clima etéreo e intimista do piano de Pitty e o violão de Martin, algumas vezes acompanhados por uma leve percussão ou algum efeito diferente. Há momentos com instrumentos como a escaleta e um metalofone de brinquedo. "Dançando", principal música de trabalho do disco, foi a mais cantada pelo público presente no Cais da Alfândega.

Perto do fim do show, Pitty tocou uma versão leve de "Please, Please, Please Let Me Get What I Want", dos Smiths. É difícil dizer se as fãs compreenderam a proposta musical do Agridoce ou se Pitty não se sente bem com esse tipo de recepção para um show acústico (ela chegou a pedir mais atenção das meninas que se postaram na grade, em certo momento), mas o fato é que uma apresentação da dupla cairia muito melhor em portas fechadas - e com um som mais potente.

Leia mais sobre a cobertura do carnaval de Recife nas matérias relacionadas abaixo.