Quincy Jones critica álbum póstumo de Michael Jackson

"Parece que estão tentando arrecadar a maior soma de dinheiro possível", disse o renomado produtor de Thriller; Jones ainda reclamou sobre comparação a Kanye West

Da redação Publicado em 28/11/2010, às 16h16

"Ele não ia querer que as coisas saíssem sem seus toques finais", disse Quincy Jones sobre álbum póstumo de Michael Jackson
AP

Quincy Jones demonstrou não ter gostado nada do álbum póstumo de inéditas de Michael Jackson, Michael. Em entrevista à Us Weekly, o renomado produtor criticou o projeto - além de comentar sobre o disco em sua homenagem, Q: Soul Bossa Nostra, e sobre o trabalho de Kanye West.

"Parece que todos estão querendo lançar tudo o que podem dele [Michael Jackson]", disse. "É só para ganhar dinheiro. Ele não gostaria que as coisas tivessem sido lançadas desta forma. Parece que estão tentando arrecadar a maior soma de dinheiro possível. Não vejo outro motivo para isso." Quincy Jones ainda comentou sobre a característica perfeccionista de Michael: "Ele não ia querer que as coisas saíssem sem seus toques finais. É uma época louca esta, com a queda da indústria fonográfica. Trabalho nesta área há 60 anos e nunca vi nada parecido".

O produtor está sendo homenageado no álbum Q: Soul Bossa Nostra, lançado no começo deste mês, que conta com a participação de nomes como Amy Winehouse, Usher, LL Cool J, Barry White, Ludacris, Akon, Wyclef Jean, Mary J. Blige e Q-Tip. O material traz novas versões para hits produzidos por Jones ao longo de sua carreira. "Estou muito, muito animado, porque é algo com o qual nunca estive envolvido", disse ele sobre o projeto. "Todos deram o melhor de si. Estou orgulhoso dos meus jovens irmãos e irmãs."

Durante a conversa, o repórter comparou Kanye West a Jones no que se refere ao fato de ambos serem produtores com os quais muitos artistas em atividade gostariam de trabalhar. Porém, o comentário não agradou nem um pouco o veterano. "Ele já compôs para orquestra sinfônica? Ele compôs para orquestra de jazz? Que é isso, cara. Ele é só um rapper. Não há comparação. Não quero desmerecê-lo ou julgar, mas viemos de lados diferentes do planeta. Passei 28 anos aprendendo minha primeira habilidade. Não canto rap. Não é a mesma coisa. Não se compara", reclamou.