R. Kelly é colocado em observação de suicídio 'para sua própria segurança', segundo autoridades

Com a nova medida judicial, advogado de R. Kelly alega que os direitos constitucionais do rapper estão sendo violados; entenda

Redação Publicado em 04/07/2022, às 12h08

None
Cantor R. Kelly (Foto: Amr Alfiky / AP)

O cantor R. Kelly foi colocado sob vigilância por suicídio no último sábado, 02 de junho, depois de ser sentenciado a 30 anos de prisão por abusar sexualmente de mulheres, meninas e meninos, mais de 20 anos após enfrentar as primeiras acusações.

Informações obtidas pelo The Hollywood Reporter mostram que a Procuradoria dos Estados Unidos apresentou documentos judiciais dizendo que o ator foi realocado "para sua própria segurança" após uma avaliação psicológica.

+++ LEIA MAIS: R. Kelly é condenado a 30 anos de prisão por crimes sexuais

"As circunstâncias atuais da vida de Kelly, sem dúvida, trazem sofrimento emocional. Ele é um criminoso sexual condenado que foi sentenciado a passar as próximas três décadas na prisão. No futuro imediato, ainda enfrentará outro julgamento federal por acusações relacionadas à pornografia infantil” escreveu a procuradora do caso, Melanie Speight.

Embora isso pareça um movimento bastante padrão – especialmente considerando a duração da sentença e a natureza de alto perfil do caso e de seu réu – a equipe jurídica de Kelly se manifestou.

+++ LEIA MAIS: Ex-namorada de R. Kelly alega que cantor a fez comer fezes humanas

A equipe criticou o Metropolitan Detention Center, no Brookyn, Nova York, e alegou tratamento cruel e incomum de seu cliente “apenas para fins punitivos e por causa de seu status de preso de alto nível”, acrescentando que Kelly não tinha pensamentos de se machucar.

"Nada ocorreu durante a sentença que foi uma surpresa para o Sr. Kelly", escreveu a advogada Jennifer Bonjean no processo. “Embora as condições de vigilância do suicídio possam ser apropriadas para indivíduos que estão realmente em risco de se machucar, elas são cruéis e inconstitucionais sob a Oitava Emenda para indivíduos que não são suicidas.”

+++LEIA MAIS: R. Kelly abusou Aaliyah antes de se casar ilegalmente com cantora, diz testemunha

Em setembro de 2021, um júri na cidade de Nova York considerou o compositor vencedor do Grammy culpado de tráfico sexual e extorsão, em todas as nove acusações contra ele. Em 29 de junho de 2022, a juíza distrital dos EUA Ann Donnelly impôs a sentença após ouvir sobreviventes que atestaram como a exploração do cantor repercutiu nas vidas de cada vítima.

No julgamento, vítimas descreveram como R. Kelly as submeteu a momentos perversos e sádicos quando eram menores de idade. Diversas disseram como ele exigiria que obedecessem estritamente a regras, como precisar de permissão para comer ou ir ao banheiro, além de escrever “cartas de desculpas” que pretendiam absolvê-lo de irregularidades.