Radiohead: 7 músicas incríveis que você provavelmente nunca ouviu

De canções escondidas a faixas não gravadas, conheça alguns trabalhos da banda que nunca foram lançados oficialmente, mas que mereciam

Daniel Kreps, David Erlich e James Montgomery, Rolling Stone EUA Publicado em 07/09/2019, às 18h00

None
Thom Yorke (Foto: Erik Kabik Photography/MediaPunch/IPX)

A Rolling Stone mergulhou em algumas das músicas menos exploradas da discografia do Radiohead - profundas faixas de álbuns, lados B e cortes favoritos dos fãs, que nunca viram um lançamento oficial. Ou seja, uma lista que junta as principais obscuridades do grupo. De “Banana Co” a “Go Slowly”, aqui estão sete músicas incríveis do Radioheadque apenas fãs dedicados conhecem

+++LEIA MAIS: Thom Yorke critica políticos de direita: "Não sei do Brasil, mas a maior parte dos líderes são palhaços"

“Banana Co” (1993)

Talvez a música mais politizada do Radioheadno LP da era Bush, Hail to the Thief. Esse lado B sarcástico de início de grupo trata da banda dando um grande golpe em super potências colonialistas que continuam a minar e mutilar certos países latino-americanos (ou “repúblicas bananas”) para as suas exportações. Thom Yorke, que tornaria-se um dos músicos mais críticos do mundo em relação à exportação exploração agrícola, nunca superou a uma linha de abertura como "Oh, Banana Co, nós realmente amamos você, e precisamos de você." E enquanto às vezes a música soa como uma corrida para algumas das faixas mais sofisticadas do grupo da mesma época ("Bones"), nunca fica velho ouvir Yorke permitir que seus vocais soem limpos o suficiente para serem vendidos em um supermercado. D.E.

“Pearly*” (1997)

Não sabemos muito bem sobre quem Thom Yorke canta em "Perly*," mas a cada pequeno significado revelado por ele ("Dentaduras de orvalho," “Milkshakes de baunilha do Hard Rock Café" seguindo até "gosta muito de garotos brancos"), podemos assumir que a personagem é um monstro vaidoso e enclausurado - como um porquinho Gucci barulhento e crescido.  O fato de ela possuir poder provavelmente explica o barulho discordante da música, o borrão de guitarras e tambores que batem e eventualmente explodem em uma estrofe final. Pode ser um pouco de comentário social, ou apenas uma escória para uma celebridade, o ponto ainda é o mesmo: tudo está podre por dentro. J.M..

+++LEIA MAIS: Thom Yorke não gosta dos algoritmos do Spotify porque sugerem que ele ouça Muse

“Follow Me Around” (1998)

Apareceu primeiro em Meeting People Is Easy, documentário do Radioahead sobre a turnê mundial de OK Computer. No longa, a música foi tocada em cima de uma montagem de entrevistas monótonas que incluíam Thom Yorke cansado, falando para um jornalista, “Você vai se tornar um hipócrita… Isso que é se tornar adulto. E aí você tem bebês e é isso.” É desnecessário dizer que ele estava passando por coisas pesadas - a marcha do tempo, a queda da responsabilidade, o peso da expectativa - tudo isso é evidente no deslumbrante e severo "Follow Me Around". De menções sobre figuras sombrias escondidas nos cantos à dor consentida do coro, é uma das músicas mais sombrias, apenas porque ele está admitindo saber o que está por vir, mas  não tem outra chance além de seguir em frente. Não imagino porque eles nunca gravaram essa aqui propriamente; algumas coisas são melhores deixadas como são. J.M.

“Worrywort” (2001)

Acentuada com uma letra que soa como a transcrição de uma das sessões de terapia de Thom Yorke ("Não fique em apuros/ Vai descansar/ É um dia lindo”). Esse lado B da era amnésia, cheio de sintetizadores, parece uma injeção de novocaína entre seus ouvidos. Alimentado por uma melodia musical sonora que eventualmente aumenta em complexidade, “Worrywort” quase torna-se a primeira boa música sem arrependimentos - aumente a velocidade e é, praticamente, as coisas em um single do Passion Pit. Mas esse é o Radiohead do qual estamos falando, e, mesmo que seja mais tranquilizador, esse mantra de afirmação pessoal nunca perde contato com a dor que tenta entorpecer ostensivamente. D.E.

+++LEIA MAIS: Algoritmo descobre qual é a música mais triste do Radiohead; entenda

“A Punchup at a Wedding (No no no no no no no no)” (2003)

Escondida na parte de trás do maior álbum do Radiohead, essa faixa é o mais perto de uma diss track que Yorke já gravou. Escrita como resposta a uma desagradável crítica de um show em julho de 2001 na cidade natal (uma das apresentações favoritas de Yorke), “A Punchup at a Wedding” ajuda Hail to the Thief a preencher a lacuna entre a frustração fervilhante de sua primeira metade e a raiva sarcástica da segunda. “Você chegou aqui para começar uma briga/ Você teve que mijar no nosso desfile,” espuma Yorke enquanto o piano transforma a música no irmão mais velho badass que “Karma Police” sempre quis. D.E.

“Go Slowly” (2007)

Para qualquer outra banda, essa seria uma das maiores conquistas vocais. Para Radiohead é basicamente um esboço que acidentalmente alcançou o ouro. Muito semi-formado para ter um lugar em um LP, mas muito assustador para ser deixado no chão da sala de corte para sempre, essa peça sobressalente das sessõe de In Rainbows se desenrola como um primo distante de "Exit Music (for a Film).” “Go Slowly” é enraizada em um profundo desespero, e a única maneira de escapar é cavando  mais fundo. “Eu não ligava/ Mas agora posso ver que tem uma saída…,” canta Yorke, como se estivesse ligando para a própria morte enquanto a sua voz afunda sob uma areia movediça para terminar uma das músicas mais bonitas e desconcertantes que a banda já gravou. D.E. 

“Faust Arp” (2007)

É uma música de 130 segundos normalmente deixada de lado como um sanduíche de cantigas entre os favoritos de Rainbows, “All I Need” e “Rechoner.” A faixa densa e ricamente orquestrada é mais crucial do que já foi sugerido previamente. Equilibrando a intimidade de uma canção de ninar com a agressividade-passiva de uma briga de amantes, “Faust Arp” mostra Yorke com versos de ternura sobre taxidermia e ressentimento  por uma maré suave de cordas que fazem toda a música soar como se estivesse inexoravelmente fluindo rio abaixo. No entanto, o ingrediente secreto aqui é Jonny Greenwood. O violão ágil empresta aos vocais de Yorke o apoio que eles precisam para se safar de frases como "Você está com a cabeça cheia de penas / vai derreter na manteiga". D.E.