Rage Against the Machine detalha história por trás de 'Killing in the Name' em minidocumentário

O filme de 15 minutos, dirigido por Ummah Chroma, explora a história de opressão americana e a “ficção conhecida como branquitude”

Daniel Kreps | Rolling Stone EUA. Tradução: Mariana Rodrigues | @marigues_ sob supervisão de Yolanda Reis Publicado em 02/02/2021, às 07h52

None
Tom Morello durante o Sonic Temple Art and Music Festival em 2019 (Foto: Amy Harris / Invision / AP)

Rage Against the Machine deu detalhes da sombria história americana por trás do seu hino de 1991, “Killing in the Name”, em um novo minidocumentário. O filme de 15 minutos, Killing in Thy Name(2021), é uma colaboração com o coletivo de artes Ummah Chroma e apresenta um professor educando um pequeno grupo de estudantes sobre “a ficção conhecida como branquitude”, assim como a história de opressão racial e social dos Estados Unidos. 

O minidocumentário também apresenta citações de historiadores como Howard Zinn e filmagens ao vivo do Rage Against the Machine performando a música que, estranhamente, tornou-se um grito de guerra pró-Trump durante as eleições presidenciais de 2020. “Vivendo nos EUA, você está vivendo em uma das sociedades mais brutais da história do mundo,” diz Zack de la Rocha em uma entrevista de arquivo dentro do filme.

+++LEIA MAIS: ‘Boa parte do meu público surta quando digo que sou negro,’ desabafa Tom Morello

“O país herdeiro do genocídio do povo nativo americano. Um país o qual participou da escravidão. Qualquer sociedade, governo ou sistema estabelecido para lucrar com uma classe rica enquanto a maioria das pessoas batalham, sofrem e vendem sua força de trabalho, e cuja o único propósito verdadeiro desse sistema é o lucro e não a manutenção e aprimoramento da população, para manter às necessidades humanas, não deveria existir. Essa sociedade deveria ser desafiada, questionada e derrubada.”

+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes

“Minha mãe [Mary Morello] é uma mulher branca com uma voz ativa,” diz o guitarrista Tom Morello no filme. “Por três décadas, foi uma professora progressista em um colégio consevador, inspirando estudantes a desafiarem o sistema - em suas ações e palavras, sempre ensinou que o racismo nunca deve ser ignorado e sempre deve ser confrontado.” Morello também detalhou o nascimento da música, em entrevista para a Rolling Stone Music Now.

O tão aguardado anúncio de 2020 da turnê Public Service Announcement, do Rage Against the Machine, - prevista para a eleição presidencial - teve de ser adiado devido a pandemia de coronavírus. As datas remarcadas não foram anunciadas.

+++ PAI EM DOBRO | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL